Resenha de Show

Glenn Hughes faz show eletrizante com repertório clássico de sua carreira no Deep Purple

Glenn Hughes no Tropical Butantã, em São Paulo, com o show da turnê 'Performs Classic Deep Purple'

César Franciolli/Headbangers News


Glenn Hughes no Tropical Butantã, em São Paulo, com o show da turnê 'Performs Classic Deep Purple'

Um show que certamente entrou no ranking dos mais eletrizantes dentre os quais os fãs de rock tiveram a oportunidade de conferir. No último sábado (21), o público do Tropical Butantã, zona oeste da capital, assistiu estarrecido ao show de Mr. Glenn Hughes, que volta ao Brasil com a turnê “Performs Classic Deep Purple” e um repertório recheado de clássicos do período em que tocou junto ao grupo inglês, de 1973 a 1976.

Na fabulosa empreitada de nos proporcionar um espetáculo inesquecível, Hughes sobe ao palco acompanhado do guitarrista Søren Andersen, do tecladista Jay Boe e do baterista Fer Escobedo. Juntos, eles não economizaram energia e garra para transportar os fãs de volta a uma das fases mais tresloucadas do Deep Purple, marcada por clássicos como “Stormbringer”, que abre a noite em grandíssimo estilo, seguida da poderosa “Might Just Take Your Life” e da visionária “Sail Away”.

Exibindo extraordinária boa forma nos vocais, característica marcante que lhe valeu o título de “A voz do Rock”, e uma performance com técnica exclusiva e absurda junto ao baixo, o inglês de 66 anos fez ao longo do show inúmeras declarações de amor e gratidão aos fãs paulistanos. “Vocês me deixam loucos. Não foram vocês que vieram aqui esta noite para me ver; fui eu quem vim para vê-los”, agradece Hughes, depois da explosão de loucura ao final de “Mistreated”.

A trajetória de Hughes no Deep Purple foi marcada pela incursão de ritmos até então considerados alheios às composições da banda, como elementos do soul e do funk, evidentes em “You Fool No One”, uma efervescência sonora que pode ser contemplada nos álbuns “Burn” e “Stormbringer”, de 1974, e “Come Taste the Band”, de 1975.

Tocantes, “This Time Around” e “Holy Man” chegam a arrepiar até os mais inflexíveis, afinal, não havia ali céticos ou descrentes de que o espetáculo proporcionaria uma noite de profunda transformação de ânimos, sobretudo pela doação de bons fluídos que emanava do palco. O set list priorizou ainda a execução de “Gettin’ Tighter”, música composta em parceria com o guitarrista Tommy Bolin, que substituiu Ritchie Blackmore nas guitarras em “Come Taste the Band”.

As clássicas “Smoke on the Water” e “You Keep on Moving” anunciam o fim do espetáculo. Para se dedicar apenas aos vocais, Hughes passa a bola do contrabaixo ao roadie “Jimmy”, que não nos decepciona. “Amo esse planeta, os seres humanos, todas as raças, o oceano, a natureza, os animais, vim até aqui hoje para retribuir a cada um de vocês todo o amor que me foi dado. Essa voz é a sua voz”.

Apaixonado confesso pela nossa terra e pelo futebol brasileiro, Hughes não se cansou de enfatizar a energia dos fãs brasileiros como um dos motivos que o faz incluir o Brasil em suas turnês. Ao final do encore bombástico, com direito aos clássicos “Burn” e “Highway Star”, Glenn Hughes se despede efusivamente dos fãs, um adeus na mesma medida de todo o carinho e atenção dispendido durante toda a noite: “Tchau São Paulo, vejo vocês no ano que vem”.

A turnê que teve início em Brasília, já passou por Belo Horizonte antes de chegar a São Paulo e seguir para Limeira no domingo (22). Hughes ainda passa por Curitiba (24), Manaus (26) Porto Alegre (28), Rio de Janeiro (29) e Vila Velha, no Espírito Santo (1 de maio).

Set list:

Stormbringer

Might Just Take Your Life

Sail Away

Mistreated

You Fool No One

This Time Around

Holy Man

Gettin’ Tighter

Smoke on the Water

You Keep on Moving

Encore:

Burn

Highway Star


Tropical Butantã

Data: 21/04/18

Horário: 19h30

Av. Valdemar Ferreira, 93