Entrevistas

João Duarte, ilustrador, revela detalhes de seus trabalhos com as bandas famosas

O site Headbangers News teve a oportunidade de entrevistar o ilustrador João Duarte, ou simplesmente J.Duarte, conhecido no meio musical por produzir material gráfico para bandas de renome do cenário nacional e internacional. Ele revelou algumas particularidades de seu trabalho e suas inspirações.

Qual é sua formação? Quando começou a se interessar por desenho e ilustração?

Olá! Primeiramente muito obrigado pelo convite! O interesse por artes em geral sempre esteve comigo desde sempre, por conta dos gibis na infância e mais tarde, lá pelos 10 anos quando comecei a me interessar por Rock e vi as ilustrações das capas do Iron Maiden. Por volta de de 2008 comecei mesmo a me interessar por criação por influência de um amigo meu, eu via ele trabalhando e queria saber fazer o mesmo. Ele me deu os primeiros toques no Photoshop e o resto desenvolvi sozinho. Quando a coisa foi ficando mais séria, minha namorada (que hoje é minha esposa) me incentivou a ir estudar e investir na área. Então fiz programação e web design no Senai e Photoshop no DRC, uma escola bem conceituada na área aqui em São Paulo.

 

Quem são suas referências na área e quais são os profissionais que mais admira?

Os profissionais que admiro são muitos, talvez o Derek Riggs seja o maior deles e no lado mais “dark” seria HR Giger e Hieronymus Bosch. Dos atuais gosto muito das criações e do estilo do Eliran Kantor e Travis Smith. Mas na hora de criar algo acabo indo mais pro lado do cinema, que é outra coisa que gosto e que me influencia muito, mesmo que involuntariamente e sem eu saber os nomes de todos os profissionais envolvidos. Mas posso dizer q acabo me influenciando por diretores como Wes Anderson que tem um estilo bem próprio de compor as cenas e as cores. Para os cartazes gosto de pensar como se eles fossem como capa de revista ou poster de filme, com contraste bem grande entre o desenho e o texto, não muito poluído, porque a banda é que deve se destacar mais. Vou mais num estilo mais tradicional.


Como você iniciou este seu trabalho de serviços de design e web design para as bandas? Desde o começo da sua carreira você já imaginava isso de produzir material gráfico para os músicos?

Nunca! Foi por acaso. Eu tocava bateria e por conta disso sempre tive amizade com os outros músicos de rock então comecei a oferecer artes, websites e posters de shows para essa galera. O pessoal do Hangar e do Torture Squad foram os primeiros a encomendar algo, logo depois veio o Korzus e o Angra e eles continuam comigo até hoje. Nesse mesmo período as produtoras de shows começaram a me procurar também para criar cartazes e artes para os shows de bandas de fora que vinham pra cá, foi ai que a oportunidade de fazer artes pro Saxon, Avantasia, Nightwish, King Diamond, Accept, Dream Theater, Scorpions, Anthrax, Rhapsody, Exodus, Napalm Death, Misfits, Sonata Arctica, Kreator, Marillion, Stratovarius, Paradise Lost, Symphony X, Machine Head, Within Temptation, Paul Di’anno, Grave Digger, Blaze Bayley, etc…

 

Qual foi a banda/artista que te trouxe o “maior desafio” e quem são seus clientes mais assíduos?

O maior desafio creio que tenha sido toda arte e diagramação do CD e DVD ao vivo do Angra: Angels Cry 20th Anniversary. Porque o Angra sempre foi uma banda que eu colecionava tudo desde os anos 90, posters, cds, revistas… então ter a oportunidade de fazer um lançamento oficial da banda foi muito desafiador particularmente. Era um lançamento muito aguardado pelos fãs, a banda tinha mudado recentemente de formação e era um desafio para todo mundo entregar esse produto em tempo recorde no mercado. Poucos meses depois do show ele precisava já estava editado e lançado, o que causou uma enorme correria e centenas de mensagens, ligações e emails do pessoal da banda e manager para finalizar a tempo. Correria mas no final deu tudo certo.


Qual dos seus trabalhos teve maior repercussão ou que você percebeu que houve um maior retorno?

Em relação a capa creio que tenha sido o “Esquadrão de Tortura” do Torture Squad, por conta da temática do disco ele foi muito discutido na época. Em relação a cartazes de shows creio que o do King Diamond tenha sido bem compartilhado e dos medalhões sempre fazem sucesso, Dream Theater, Avantasia, Nightwish… pessoal curte e comenta e até me pedem o arquivo em alta pra imprimir e guardar de recordação, exatamente como eu fazia quando era adolescente (risos). Mas algumas artes me marcam particularmente como, por exemplo, o do Shaman com o Avantasia, que foi infelizmente o último show do Andre Matos… e no dia do falecimento dele o empresário do Shaman também me pediu pra fazer uma arte que seria a “imagem oficial” que toda banda iria divulgar junto com a nota do falecimento. Essa imagem foi bem simples de fazer mas teve o peso de uma tonelada nos meus ombros… Mas também tem aquelas engraçadas como por exemplo o de uma banda inglesa que eles atrasaram a divulgação do show alguns dias só pra eu ter tempo de arrumar a olheira, a “papada” e diminuir as barrigas dos músicos na arte… essas coisas (risos).

 

Que conselho você daria a um jovem artista que deseja trilhar o mesmo caminho?

Parece clichê mas é verdade: nunca desista. Faça porque gosta, dê seu melhor e supere-se sempre.