Notícias

Escombro revigora o hardcore em novo EP, Eutanásia Social

EP, lançado pela Artico Music, traz participação de Fábio Prandini, do Paura

Artico Music


EP, lançado pela Artico Music, traz participação de Fábio Prandini, do Paura

O Escombro inaugura uma nova fase da curta e sólida carreira com o EP Eutanásia Social, um passo adiante do disco de estreia homônimo de 2017. São cinco composições viscerais, com passagens brutais e recheadas de levadas dinâmicas. Nesta toada, este registro do quarteto paulistano lançado pela Artico Music nas principais plataformas de streaming é também, sem exageros, um marco do hardcore nacional devido ao profissionalismo e criatividade única que rondam suas músicas, letras e concepção artística. Ouça aqui: https://www.onerpm.com.br/al/5026586579.

Eutanásia Social é tanto o nome de uma das faixas como o conceito do EP, com arte gráfica assinada por Pedro Von Haggen. Como explica o vocalista Jota, o termo faz um alerta ao estado alarmante e à beira do colapso em que se encontra a sociedade brasileira. “Tem uma galera que está sendo desligada do mundo, tamanho é a descaso com o que a cerca; só pensam em si, num grau zero de consciência social, ao mesmo tem que, por outro lado, o povo é constantemente sabotado por estes governos corruptos”.

Duas participações marcam Eutanásia Social. Em “Libertar”, Fábio Prandini, do Paura, canta algumas partes e aumenta a pressão da carga revolucionária da faixa. Para Jota, entre todas as participações que o Escombro já teve, esta é a mais representativa. “Depois de Ratos do Porão, Paura é a mais importante do hardcore nacional. E rolou muito bem! Admiro muito ele como vocalista e pessoa, um guerreiro do hardcore”.

A letra de “Libertar” expõe o lado político do Escombro, que desta vez resolve se posicionar contra aqueles que alimentam o ódio e segregam a já cambaleante sociedade brasileira. “Escrevi a letra pensando em quem apoia incondicionalmente o Jair Bolsonaro, e tinha rolado aquela parada do Orgulho Branco nos EUA, e pensei em escrever em se libertar em tudo sobre isso, o ódio, sexismo, racismo, homofobia. O hardcore que conheço é um cenário libertário sem espaço para esse tipo de coisa”, enfatiza Jota.

O mexicano Chema Valenzuela Galero é o outro convidado, nome forte da cena hardcore/hip-hop do país latino. Ele canta com Jota em “Hijos de la calle”, uma música com beatdowns, cantada em português e em espanhol. “É uma faixa importante. Galero construiu a letra pensando numa revolução, da galera manifestando e indo pra frente dos políticos, uma visão muito parecida com a do Escombro”. Nesta faixa, ainda há, no início e no fim, a incursão de pequenos fragmentos de clássicos do rap, que são influencias para todos do Escombro.

As demais faixas são “Eutanásia Social”, inspirada numa vivência pessoal de Jota que aborda o desesperador sistema público de saúde na mais agressiva e crua música do EP, com uma pegada quase punk. “Vivi um dia de SUS e fiquei puto”. Tem também a “Entre Lobos”, o single deste material lançado mês passado, e “Descaso”, um manifesto contra a uma das tantas formas de violência que machucam o indivíduo: a política. “O que é violento de verdade? Violento é o que o governo faz com o nosso povo. Gente morado ao lado do esgoto, gente que sai da escola analfabeto, o judiciário que só funciona pra quem tem grana. O Brasil e o país do descaso e essa faixa é um desabafo brutal”, pontua.

“Estamos bem contentes com o resulto de Eutanásia Social, contentes com a qualidade da gravação e do potencial das músicas. Acredito que atingimos um outro nível”, finaliza o vocalista.

Jow Head


A BANDA

Uma das formações mais robustas e ácidas do estilo dentro da cena nacional, o Escombro foi formado em 2015 e preza pelas letras em português que abordam temas sociais, além do peso que remete ao hardcore consagrado por Madball e Terror, ao mesmo tempo em que conversa com a proposta da nacional Oitão (o vocalista Henrique Fogaça é amigo da banda).

Para o primeiro trabalho em parceria da Artico Music, o Escombro gravou o sucessor do elogiado álbum homônimo (julho/2017) no estúdio Dual Noise (o mesmo utilizado pela Paura no ‘Slowly Dying of Survival’, de 2017) e o resultado é nada menos do que um colossal hardcore, direto e reto, que convoca o ouvinte ao moshpit.

Hoje a banda é  Lucas “Jota” Ferreira (vocal), Felipe Felipeles (bateria), Igor “Japonês” Fugiwara (baixo) e Ricardo Quattrucci (guitarra).