Resenhas

I Loved You at Your Darkest

Behemoth

9.9

O álbum I Loved You at Your Darkest pode ser considerado um marco no amadurecimento da banda Behemoth, chegando a um nível invejável de composição e em sua concepção lírica.

Este é um álbum denso e cheio de surpresas, como na introdução de um coral de crianças que integra a faixa de abertura “Solve”. Em outros casos, não me admira eleger títulos de músicas como “If Crucifixion Was Not Enough” ou “Sabbath Mater”, mas o que está incluso nas faixas é que surpreende, remetendo a discos anteriores da banda ou em alguns casos inovando em uma sonoridade que se assemelha a um “death/black metal”. Posso descrever a faixa “Wolves ov Siberia”, por exemplo, como um paredão de metal sinfônico temperado com uma batida infernal.
Há um desfile de composições que juntam cantos gregorianos, baterias pesadíssimas, insuspeitos acordes de rock clássico, misturados aos grunhidos já conhecidos e amedrontadores de Nergal, que continua em ótima forma e inspirado em suas letras.
O grupo apresenta ao público seu 11º álbum de estúdio, mas acredito que todos já estão esperando o que eles vão aprontar no próximo. Até o momento, é o lançamento mais impressionante do ano.