Resenha de Show

Manger Cadavre? e Hellway Patrol incendeiam a noite quente por natureza do Rio de Janeiro

A banda Sangue de Bode no evento no Heavy Beer no RJ

Flávio Farias

A banda Sangue de Bode no evento no Heavy Beer no RJ

Domingão quente em um Rio de Janeiro que parece desconhecer o inverno e tivemos uma noite com o quarteto de São José dos Campos do Manger Cadavre?, além dos paranaenses do Hellway Patrol, que fazem uma turnê pelo Brasil, sendo este da cidade maravilha o terceiro de um total de 24 apresentações. Aqui no Rio, as bandas foram acompanhadas pelas locais Litrão e Sangue de Bode, no já tradicional festival underground Tomarock, organizado pelo guerreiro Luciano Paz, que faz um trabalho de formiguinha pela cena carente da capital do funk, pagode e outros gêneros ruins.

Desta vez o local escolhido foi o Heavy Beer, novo, mas nem tanto. Trata-se do antigo Heavy Duty Bar, ou simplesmente, o bar do Zeca, que nos anos 1990/ 2000 era o mais popular point underground do Rio de Janeiro, localizado estrategicamente bem ao lado da famosa Vila Mimosa, para quem é de fora do Rio, trata-se de um espaço igualmente underground de prostituição, mas que é extremamente democrático. Há anos que eu não frequentava o espaço e, embora esteja longe de ser como o antigo Garage, também vizinho, trata-se de um espaço nesta cena que agoniza.

O público era bem pequeno, o que reforça a constatação da cena ruim: cerca de 150 pessoas marcaram presença e nada explica a baixa adesão, uma vez que o local fica na região central da cidade e é de fácil acesso. O horário também ajudava e pouco depois das 22 horas o evento chegaria ao final e mesmo com uma mobilidade urbana terrível na segunda maior megalópole do país, as pessoas teriam como ir embora para casa, seja de ônibus, metrô ou mesmo de carros de aplicativo. Ainda que quem tivesse de levantar cedo para trabalhar na segunda-feira, este não seria afetado pelo horário. São problemas com os quais o underground, infelizmente, precisa lidar, ainda mais em um país onde o Rock está longe de ser o mais popular dos estilos musicais.

 

Hellway Patrol se apresenta no Heavy Beer no RJ

Flávio Farias

Hellway Patrol se apresenta no Heavy Beer no RJ

Litrão:

Às 18:30, o Litrão subiu ao pequeno palco da casa e destilou seu Death/ Sludge com um peso cavalar e músicas longas e complexas. O vocalista K grita como um louco e por mais incompreensível seja o que ele está cantando, a mensagem da banda é em português. O setlist foi bem curto, cinco músicas apenas, sendo a derradeira, uma versão escrachada para American Psycho, do Misfits. Apesar do som muito embolado, deu para perceber que o quarteto sabe o que está fazendo e deixou impressão muito boa.

Setlist Litrão:
Lugares memoráveis / Dores inesquecíveis
Fardo eterno
Culpa
Estagnado
American Psycho (Misfits cover)

Sangue de Bode:

Após um intervalo de minutos, o Sangue de Bode foi a segunda banda a subir ao palco. A banda mostrou seu Crossover Thrash vigoroso. O (pequeno) público já começava a se aglomerar próximo ao palco e na terceira música, as rodinhas, ainda que tímidas, já davam as caras. Se a guitarra era praticamente inaudível, o mesmo não poderia dizer do baixo, que tem um peso absurdo e quase sempre estava sobressaindo. O baixista usava uma pedaleira enorme, que tomou conta de boa parte do pequeno palco. Os caras levantaram a platéia, que se divertiu bastante durante o setlist. A apresentação durou cerca de 40 minutos e teve o triplo de músicas da banda anterior, visto que as músicas são mais curtas.

Setlist Sangue de Bode:
Minha Refeição é no Lixo
Jazigo
Necroprimata
O Habitante da sua Mente Cinza
Comendo Lixo
Clímax Demoníaco
Messias de Merda
Filho de Manequim
Possuído Dentro da Vala
Tua Casa é a Fossa
Tirar Drop
Dez Furos na Cabeça
Deus Subterrâneo
Chafariz de Sangue/ Ando Esquisito
O Homem que virou um Cadáver
A Praga Humana

Hellway Patrol:

Às 20:20, foi a vez do Hellway Patrol adentrar ao palco e logo nos primeiros acordes impressionou o peso que a banda executa as músicas, fazendo com que o que foi gravado no CD, a ser lançado no próximo dia 5 de agosto, pareça até ensaio. O trio tem uma energia fora do comum em cima do palco. Com estrutura mais profissional do que as bandas anteriores, não demorou mais que duas músicas para constatar que estávamos diantes do grupo mais talentoso da noite. Eles estão divulgando seu vindouro álbum, “All Myth Shall Fall”, que será lançado em 5 de agosto, e trazem em sua sonoridade uma interessante mistura de influencias, que passam pelo Stoner, Thrash, NWOBHM e até flertes com o Core. O vocalista/ baixista Ricardo Pigatto toda hora agradecendo a recepção dos presentes. Se a banda não fez com que o mosh acontecesse, compensou com uma apresentação super correto e eficiente.

Setlist Hellway Patrol:
Demons of dreams
Razor Glass
Keeper
Theocratic Dictatorship
Gods
Fear the War Machine
Desert Ghost
Running wild

Manger Cadavre?

Quando o Manger Cadavre? subiu ao palco, isso já por volta das 21:20, era improvável que alguém olhasse para a vocalista Nata e imaginasse que por trás de traços tão delicados daquela moça surgisse uma frontwoman possuída, com seu vocal animalesco. Logos nos primeiros acordes as rodas começaram, mostrando que boa parte do público estava ali para vê-los. E é impossível ficar parado diante do crustcore, que a banda executa. E se o som vier acompanhado da militância contra esse regime fascista falido que há de ser extinto nas urnas no próximo dia 2 de Outubro, as coisas ficam ainda melhores, não é mesmo? Há os que repitam o mantra de “que não se mistura política com música”. Para este, eu vos digo: meu caro, tudo é política. E o Rock foi criado para ser contestador. Quem não entendeu isso, está no estilo errado e precisa retornar às aulas de iniciação.
A banda tocou por aproximadamente 40 minutos e agitou aos presentes, que gritavam o nome da banda. O som estava bom, à exceção do baixo, que parecia uma caixa cheia de abelhas. Mas a guitarra e a bateria meio que encobriram as quatro cordas. Ao final do show, Nata ameaçou um crowdsurf e claro, os marmanjos quase se estapearam para segurar a moça. Uma apresentação marcada pela raça e os fãs saíram extasiados ao final.
Uma noite bem interessante e que poderia ser melhor caso a presença do público fosse mais massiva. Não adianta o Headbanger ficar em casa, reclamando da cena nas redes sociais. Enquanto ele não perceber que é ele quem faz a cena, o Rio de Janeiro vai continuar longe de ser um oásis do Rock, como São Paulo ou BH. O Rio agoniza, mas ainda respira por aparelhos e mostramos ser capazes de receber boas bandas.

Setlist Manger Cadavre?:
Epílogo
Tragédias Previstas
A Raiva Muda o Mundo
Em Memória
Vida Tempo e Morte
Apatia
Iconoclasta
Demônios do Terceiro Mundo
Cemitério do Mundo

Encore:
Caminhos de Ferro
O Homem de Bem

 


Heavy Beer Bar

Data: 17/07/22

Horário: 17h

Rua Ceará, 104, Praca da Bandeira