Entrevistas

Ghost Iris: “As pessoas são espertas, vão notar quem faz música boa e ignorar quem faz música ruim”

divulgação

Ghost Iris

divulgação

O Ghost Iris é um nome em ascensão na música pesada mundial. O quarteto metalcore é da Dinamarca e ganhou holofotes na Europa já com o primeiro disco, Anecdotes of Science & Soul, que em 2016 foi o álbum de uma banda dinamarquesa com maior número de streaming no Spotify (1,6 milhão).

A banda anuncia ‘Comatose’ como um passo adiante do aclamado terceiro disco, Apple of Discord (2019), que levou os dinamarqueses para turnês pela Europa, Reino Unido e Japão ao lado de Dream Theater, Jinjer, After The Burial e Soen. Foi revelação de festivais concorridos como Copenhell, Rockstadt Extreme Fest e Euroblast, conquistando novos fãs todas as noites com sua autêntica performance intensa e enérgica.

O vindouro quarto álbum ‘Comatose’, lançado este mês, é o mais visceral da carreira, iniciada em 2015, e que leve à exaustão os instrumentais pulverizados, com letras sombrias, cativantes e, não raramente, ásperas. Para fala mais sobre essa carreira instantânea, o vocalista Jesper Vicencio concedeu uma entrevista ao site Headbangers News.

Ghost Iris é uma banda formada em 2015. Com apenas 6 anos de estrada, a banda já conquistou grande sucesso na mídia. Você pode nos contar um pouco sobre como tudo começou?

Ghost Iris é o produto da destruição. Uma velha banda se dispersou e Myself e Nicklas (guitarras) decidiram continuar fazendo música juntos. Começamos a escrever, sem realmente saber onde queríamos levar isso em conta. Eventualmente, percebemos que precisávamos de um baterista e começamos a busca por um. Não foi até que nós tropeçamos em um fórum online (este foi 2012) onde um baterista, que nunca havia tocado em uma banda, estava se anunciando. Este baterista era na verdade nosso baterista atual, Sebastian. Fizemos testes e Sebastian foi simplesmente o cara, sem dúvida. Mais tarde, adicionamos Daniel na segunda guitarra e em 2017 a programação estava completa. Aqui estamos; milhões de streams e mais de 100 shows depois.

Em tão pouco tempo na estrada, como a banda alcançou tanto sucesso? Você acha que eles fizeram outra coisa senão boa música?

Eu acredito no fato de que a simpatia pela música existe em um espectro. As pessoas são espertas, vão notar quem faz boa música e ignorar quem faz música ruim. Observe que digo “espectro”. Claro que as pessoas gostam de música de merda, como um prazer culpado. Mas nos escalões superiores da música, as pessoas reconhecem a qualidade e descartam a quantidade. Portanto, o fato de termos um sucesso moderado, como eu o definiria, pode ser devido ao fato de que “bombamos bangers”. Quem sabe.

Ghost Iris é considerada a banda dinamarquesa com o maior número de streaming no Spotify. Isso mesmo? Como você acha que conseguiu esse título? E como você se sente?

Eu definitivamente não acredito que somos a banda dinamarquesa com mais streams no Spotify. Podemos ser a banda de metalcore com maior streaming no Spotify, para ser preciso. Acredito que conquistamos esse título porque é simplesmente um fato, haha. No entanto, não há muita competição no departamento de metalcore na Dinamarca. É uma sensação ótima e estamos muito orgulhosos disso!

A banda lançou o aguardado “Comatose”. Como foi o processo de criação do disco?

Escrever para “comatoso” foi muito parecido com qualquer composição estranha de um álbum, embora desta vez nós definitivamente aumentamos a aposta. Comatoso é feroz e melódico. É como cheirar uma linda rosa e então, do nada, você leva um chute na cara.

Ghost Iris é mais maduro do que o álbum anterior?

Eu sinto que é incrivelmente clichê como uma banda, dizer que “nosso som realmente amadureceu neste álbum”. Isso depende das pessoas avaliar. O que posso dizer é que amadurecemos como pessoas, mas isso é esperado quando você envelhecer. Quem sabe, talvez isso se reflita em coma.

Como a banda viu a aceitação do público para ‘Camatose’?

Insanidade absoluta nesse departamento. ‘Comatose’ foi bem recebido e até agora os números são os melhores de qualquer álbum.

Quais são as principais influências da banda na hora de compor uma obra?

Um sentimento. Um sentimento naquele momento. Freqüentemente está chateado, mas também bastante feliz ao mesmo tempo. Isso é muito evidente em nossa música, que é uma mistura de pesado e melódico.

Quais são os planos da banda para o futuro?

Muitos shows. Temos duas turnês pela UE / Reino Unido em novembro e dezembro com Skywalker e InVisions. Esperamos que aconteçam, mas quem sabe com este mundo em que todos nos encontramos. Também estamos escrevendo constantemente, então, quem sabe, talvez um EP ou um novo álbum esteja sendo trabalhado? O tempo vai dizer.

Obrigado por esta oportunidade e tenha um ótimo dia!