Entrevistas

Mia Wallace: “Era um dos meus sonhos tocar em uma banda de garotas, e a Nervosa sempre me deu essa sensação de poder intransigente”

Manuel Vargas Lépiz

A banda Nervosa anunciou sua nova formação, após as saídas de Fernanda Lira e Luana Dametto. A line up será formada pela guitarrista Prika Amaral, e as novas integrantes Diva Satanica (vocal, Bloodhunter), Mia Wallace (baixo, Hellhammer, Abbath, Triumph Of Death) e Eleni Nota (bateria, Mask Of Prospero, Croque Madame). O site, Headbangers News, realizou uma entrevista exclusiva com a nova baixista, Mia Wallace, que nos contou como foi entrar para a Nervosa, violência contra as mulheres e sobre a relação com o ex-companheiro de banda, Abbath.

 

 

Devo começar parabenizando sua entrada para a banda brasileira Nervosa! Conte como tudo aconteceu.

Obrigada Jessica! A Prika me chamou e perguntou se eu estava disponível para uma audição com a NERVOSA. É claro que me senti profundamente honrada com essa chance, a audição foi muito positiva e foi assim que aconteceu…

Quais foram seus sentimentos quando foi anunciada como baixista oficial?

Eu tenho que ser honesta, era um dos meus sonhos tocar em uma banda de garotas, e a NERVOSA sempre me deu essa sensação de poder intransigente. A música “Kill the Silence”, por exemplo, esta música fala sobre reagir ao abuso, violência contra as mulheres, e a mensagem diz “kill the silence”, REACT, “não aceite mais isso”.  Eu aprovo isso totalmente, fui vítima disso também no passado, então vejo o NERVOSA e a mensagem por trás da banda é como um canal para gritar sobre o que aconteceu comigo também.

Você já conhecia o trabalho da banda? Como é fazer parte de uma banda brasileira?

Claro, eu sempre acompanhei essa banda incrível há anos, olhando imensamente para a força da Prika. Não é algo como “fazer parte de uma banda brasileira”, mas fazer parte de uma banda incrível que carrega uma mensagem importante. Durante minha carreira, experimentei muitas vezes as chamadas “mulheres promotoras de metal”, artistas que usavam essa mensagem para parecer “legais” em revistas ou entrevistas, mas, na vida real, agem como o pior misógino de todos os tempos. Bem, agora tenho a chance de estar cercado por mulheres fortes e fazer música com elas. Existe algo melhor?

Francisco Muñoz

Agora a Nervosa conta com garotas de países diferentes, como você acha que isso pode influenciar a banda nos próximos trabalhos?

Sinceramente, não vejo uma única dificuldade nisso. Eu sempre trabalhei com bandas de diferentes países. Estamos vivendo uma era com a Internet e muitas chances de trabalhar em diferentes países.

Este anúncio, aconteceu agora, época em que devemos ficar em casa e ficar á salvos da pandemia do novo coronavírus. Com esse tempo em casa, você já está pensando em compor algo para banda ou está começando a ensaiar as músicas que o Nervosa já tem?

Ambos. É claro que precisamos ensaiar as músicas antigas, mas também estamos trabalhando no novo álbum.

Imagino que você está ansiosa para começar os shows com sua nova banda, após a pandemia acabar…

Claro que estou! Eu moro (ainda) em um dos países mais prejudicados e a música me manteve viva durante esse isolamento. Agora mal posso esperar para conhecer as garotas e começar nossas aventuras pelo mundo!

James Alvarez

Falando um pouco sobre seus trabalhos anteriores, fomos surpreendidos com a tour do Abbath que foi cancelada, e infelizmente você não veio ao Brasil. Você já conhece o Brasil? Está com expectativas de realizar shows por aqui?

Infelizmente, eu não estive no Brasil ainda. Acho que estarei lá com mais frequência agora! Mal posso esperar para me apresentar no seu lindo país!

Ainda sobre o Abbath, você tem algum ressentimento diante do ocorrido?

Absolutamente não. Abbath ainda é meu herói e sempre será, uma verdadeira lenda para mim e uma pessoa incrível. Eu o respeito profundamente como músico e como pessoa, 100%. Nada nem ninguém destruirão essa conexão entre Hécate e Abbath. Meu coração sempre estará com ele e sua linda família. Infelizmente, o ramo da música está cheio de pessoas que só se importam com dinheiro e vingança. Esse é o meu ressentimento. Nunca perdoarei as pessoas que se aproveitaram de uma pessoa durante um momento difícil. Mas eu acredito profundamente no Karma.

Nervosa será sua única banda ou ainda vai continuar com os projetos que você já tem?

Vou trabalhar com a NERVOSA, dando minha profissionalidade e lealdade. Eu tenho outras bandas com as quais trabalho, como sempre fiz, mas vivo para a música como você sabe, nada vai me parar! Mal posso esperar para começar a turnê com as garotas!

Obrigada pela atenção e seja bem-vinda ao Nervosa! Pode deixar uma mensagem para seu fãs brasileiros (e agora, novos fãs)?

Não pude me encontrar com vocês em Novembro passado, mas foi só uma reunião adiada! Até breve, Brasil!

 

Continua depois da publicidade