Notícias

A atriz Evan Rachel Wood acusa Marilyn Manson de abuso

A atriz Evan Rachel Wood que revelou que foi abusada por Marilyn Manson

HBO

A atriz Evan Rachel Wood que revelou que foi abusada por Marilyn Manson

A atriz e cantora Evan Rachel Wood, que falou publicamente durante anos sobre ser um sobrevivente de violência sexual e física, deu o nome de seu agressor nesta segunda-feira (01).
“O nome do meu agressor é Brian Warner, também conhecido mundialmente como Marilyn Manson”, escreveu Wood. “Ele começou a me preparar quando eu era adolescente e abusou terrivelmente de mim durante anos. Eu fui submetida a uma lavagem cerebral e manipulada para me submeter. Cansei de viver com medo de retaliação, calúnia ou chantagem. Estou aqui para expor este homem perigoso e convocar as muitas indústrias que o capacitaram, antes que ele arruíne mais vidas. Estou com as muitas vítimas que não ficarão mais caladas.”

Wood, de 33 anos, foi indicada ao Globo de Ouro por sua interpretação de uma adolescente volátil no drama Aos Treze (Thirteen), de 2003. Mais recentemente, ela estrelou o seriado “Westworld” na HBO e foi a voz da Rainha Iduna em “Frozen 2”.

Em uma demonstração de solidariedade, pelo menos quatro outras mulheres postaram suas próprias acusações contra Manson, detalhando experiências angustiantes que elas afirmam incluir agressão sexual, abuso psicológico e várias outras formas de coerção, violência e intimidação. Marilyn Manson negou alegações semelhantes no passado. Seus advogados não estavam imediatamente disponíveis para comentar, mas sua equipe “negou categoricamente” acusações semelhantes no passado.

De acordo com o The Hollywood Reporter, em maio de 2018, meses após o movimento #MeToo começar a varrer a indústria do entretenimento, um relatório policial foi arquivado contra Manson citando crimes sexuais não especificados que supostamente ocorreram em 2011. Em agosto de 2018, o Ministério Público de Los Angeles anunciou que estava se recusando a prosseguir com o caso devido à falta de evidências que o corroborassem. Naquela época, o advogado de Manson, Howard E. King, disse ao The Hollywood Reporter que as “alegações feitas à polícia foram e são categoricamente negadas pelo Sr. Warner e são completamente delirantes ou parte de uma tentativa calculada de gerar publicidade … Qualquer alegação de impropriedade sexual ou prisão naquele ou em qualquer outro momento é falsa.”

O que disseram as outras mulheres que acusam Manson:

ASHLEY WALTERS
“Continuo a sofrer de TEPT (transtorno de estresse pós-traumático) e a lutar contra a depressão. Mantive contato com algumas pessoas que passaram por seus próprios traumas, sob o controle dele. Enquanto todas nós lutávamos, como as sobreviventes, para continuar com nossas vidas, eu continuava ouvindo histórias perturbadoramente semelhantes às nossas próprias experiências. Ficou claro o abuso que ele causou; ele continua a infligir a tantas e eu não posso ficar parada e deixar isso acontecer com as outras. Brian Warner precisa ser responsabilizado.”

SARAH MCNEILLY
“Eu tenho medo de trazer qualquer holofote sobre mim para evitar cair em sua mira novamente. Como resultado da maneira como ele me tratou, sofro de problemas de saúde mental e TEPT (transtorno de estresse pós-traumático) que afetaram meus relacionamentos pessoais e profissionais, minha autoestima e objetivos pessoais. Eu acredito que ele estraga a vida das pessoas. Eu apoio tudo o que tem e tudo virá. Quero ver Brian responsabilizado por sua maldade. ”

ASHLEY LINDSAY MORGAN
“Tenho terror noturno, TEPT (transtorno de estresse pós-traumático), ansiedade e, principalmente, TOC incapacitante. Eu tento lavar constantemente para tirá-lo ou tirá-lo de mim…. Vou adiante para que ele finalmente pare. ”

GABRIELLA
“Levei cinco anos para falar e dizer que estava em um relacionamento abusivo. Fui diagnosticada com TEPT e ainda sofro de pesadelos. Eu bloqueei muitas das memórias, mas os sentimentos permanecem e se manifestam de várias maneiras. A razão pela qual estou finalmente compartilhando esta experiência traumática é para minha cura e porque cansei de ficar em silêncio. Não acredito que seja justo alguém não ser responsabilizado por suas ações horríveis. Eu não sou uma vítima. Eu sou uma sobrevivente.”

Há anos Wood é ativista pelos direitos das mulheres. Em 2019, o projeto Phoenix Act, criado por ela, virou lei na Califórnia, e vítimas de violência doméstica passaram a ter cinco anos para denunciar seus abusadores, em vez de três.

Antes de a lei ser sancionada, Wood depôs perante o Senado da Califórnia. Ela falou sobre a violência sofrida nas mãos de um ex-parceiro, mas não citou nomes. No depoimento, Wood disse que, por várias vezes, reuniu forças para sair do relacionamento abusivo, mas era chantageada com ameaças de suicídio.

* Com informações do New York Times, The Hollywood Reporter e Vanity Fair