Notícias

Memory Remains: AC/DC – 38 anos de “Flick on the Switch” mantendo a veia Hard Rock

Em 15 de Agosto de 1983, o AC/DC lançava “Flick of the Switch”, o nono álbum da carreira dos australianos no geral e oitavo lançado mundialmente. É também o terceiro com Brian Johnson e lançado logo após a saída do baterista Phill Rudd, que participou das gravações e tem seu nome devidamente creditado. O play é tema do nosso Memory Remains deste domingo.

A banda repetiu a experiência de gravar nas Bahamas, tal como em “Back in Black”, três anos antes. Porém, a parceria com o produtor Robert “Mutt” Lange desta vez foi deixada de lado, tendo a própria banda se encarregado de produzir a obra. A banda afirmaria mais tarde que “Flick of the Switch” era uma tentativa de fazer o AC/DC soar com uma sonoridade crua, que segundo eles foi atingida com sucesso.

O clima no estúdio foi bastante tenso, com Phill Rudd enfrentando problemas com álcool e drogas, o que culminou com a sua demissão, ainda nas Bahamas, Mas os problemas já vinham acontecendo bem antes do processo de gravação, tendo, inclusive, um caso em que Malcolm Young agrediu o baterista após este se atrasar para uma apresentação e de não ter tido condições de retornar ao palco e tocar no bis.

O processo de gravação durou todo o mês de Abril de 1983 e quatro meses depois, o disco estava disponível ao grande público; vamos então destrinchar cada uma das 10 faixas presentes aqui: “Rising Power” marca a abertura do play com um Hard Rock bem cadenciado, que conta também com um bom solo executado por Angus Young. “The House is on Fire” chega trazendo aquele clima Stoner bem legal e bons riffs.

A faixa título traz de volta os riffs e o clima dos anos do saudoso Bon Scott, o que desperta a nostalgia dos que preferem esta época da banda. Um Rockão de primeira qualidade. “Nervous Shakedown” tem novamente um clima cadenciado e é bem tocada, perfeitinha, ainda que seja dotada de extrema simplicidade.

Divulgação

Landslide” tem uma levada bem rápida, fazendo dela uma das melhores, senão a melhor faixa do play. E uns riffs que hipnotizam o ouvinte. Linda! “Guns for Hire” pelo seu clima, poderia perfeitamente fazer parte de “Back in Black”, pelo mesmo clima e energia deste álbum. Muito boa também.

Deep in the Hole” traz novamente a pegada mais cadenciada da qual o AC/DC investiu pesado aqui, mas tudo bem feito e de maneira bem simples que não chega a comprometer. O clima setentista está de volta com “Bedlam in Belgium”, uma música marcante pelo seu refrão que gruda e também com os riffs dos irmãos Young, além de um ótimo solo.

Badlands” chega com riffs bluesy e recebe a honraria de ser uma das que se destacam, exatamente por ser bem diferente da maioria das faixas do aniversariante de hoje. E ela é relativamente pesada. Finalizando, “Brain Shake” com seu clima setentista e riffs levemente técnicos nos dá um clima sensacional que poucas bandas de Rock and Roll como o AC/DC pode nos proporcionar. E encerra bem este álbum.

São 37 minutos de uma audição em que você sabe bem o que esperar: a musicalidade típica do AC/DC, porém, sem o brilho de outros álbuns. É considerado mais fraco do que os seus dois antecessores, e aqui o redator que vos escreve pode até acrescentar que os quatro antecessores são infinitamente melhores do que o aniversariante do dia, e não é desmerecendo este, e sim reconhecendo que os outros são outro patamar.

Nosso homenageado de hoje teve um relativo sucesso comercial, alcançando o 3º lugar na Austrália, 4º lugar nas paradas britânicas e também na Noruega, 15º na “Billboard 200”, e os singles “Guns for Hire”, “Nervous Shakedown” , além da faixa título foram bem sucedidas. Certificado 3 vezes com Platina na Austrália, Platina nos Estados Unidos, Ouro na França e Alemanha e Prata no Reino Unido.

Embora criticado, ele foi citado à época como um dos melhores lançamentos daquele ano de 1983 e por isso ele se faz digno de celebração. Nós desejamos uma longa vida ao AC/DC e fica a nossa expectativa de que a banda possa voltar a nos brindar com suas apresentações ao término desta pandemia. O lado bom é que quando tudo se normalizar, teremos novamente Brian Johnson no lugar onde ele nunca deveria ter saído. E tudo isso vai passar, já estamos imunizados e teremos a oportunidade de ver nossos ídolos em ação.

Flick of the Switch – AC/DC

Data de lançamento – 15/08/1983

Gravadora – Columbia Records

 

Faixas:

01 – Rising Power

02 – This House is on Fire

03 – Flick of the Switch

04 – Nervous Shakedown

05 – Landslide

06 – Guns for Hire

07 – Deep in the Hole

08 – Bediam in Belgium

09 – Badlands

10 – Brain Shake

 

Formação:

Brian Johnson – Vocal

Angus Young – Guitarra

Malcolm Young – Guitarra

Cliff Williams – Baixo

Phill Rudd – Bateria