Notícias

Memory Remains: Blind Guardian celebra as três décadas de “Somewhere Far Beyond” e uma pausa no Speed Metal

Como era o mundo há 30 anos atrás? No Brasil, tínhamos o impeachment de Fernando Collor de Mello, o primeiro presidente eleito democraticamente depois de mais de trinta anos. A antiga União Soviética sofria com o processo de independências dos países que a compunham; o mundo começava a testemunhar o conflito entre os Estados Unidos com os países mais fundamentalistas do Oriente Médio. No esporte, o Brasil ganharia apenas uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Barcelona, com a seleção de vôlei e na música, o Grunge emergia de maneira gigantesca. Alheio a isso, o Blind Guardian lançava, em 29 de junho de 1992, “Somewhere Far Beyond“, o disco de número 4 da discografia dos alemães e que é tema do nosso Memory Remains desta quarta-feira.

Este play era o último ato da fase mais Speed Metal praticado pelo quarteto alemão, já que a partir do álbum posterior, o não menos sensacional “Imaginations From the Other Side”, marcaria a passagem sonora da banda para um Power/Prog Metal com músicas não tão rápidas mas extremamente bem trabalhadas. Aqui já é possível notar uma tímida inclusão de elementos mais melódicos e sinfônicos, que faz deste disco realmente especial.

O título do aniversariante de hoje é inspirado no livro homônimo de Stephen King e a arte da capa é assinada por Andreas Marschall, responsável também por outras capas. Sobre a arte da banda, juntamente com as duas faixas “The Bard Song”, renderiam à banda e aos fãs o apelido de “Bards”. Hansi Kursch frequentemente se refere aos fãs por tal alcunha. E quando a banda apresenta essa faixa ao vivo, normalmente o frontman dá ao público a honra de cantá-la.

Os integrantes do Blind Guardian não consideram “Somewhere Far Beyond” como sendo um disco conceitual e sim um álbum com conceito. A ideia que eles quiseram passar era de que os bardos viajaram no tempo e se reuniram na floresta e compartilhem suas histórias, que no caso são as músicas, O próprio desenho da capa ilustra essa reunião, que em tempos de pandemia do pandemia seria criticada. A ideia surgiu através de um jogo de videogame que a dupla de guitarristas André Olbrich e Marcus Siepen jogavam na época ”The Bard’s Tale”.

Assim sendo, a banda recrutou mais uma vez o produtor Kalle Trapp e todos foram para o “Karo Studios”, em Hamburgo, entre os meses de março, abril e maio de 1992 para gravar a bolacha, que contou com vários convidados especiais, os mais famosos são Piet Selck e Kai Hansen. Vamos colocar a bolacha para rolar e destrinchar cada uma das treze faixas contidas aqui:

Time What is Time” tem uma bela abertura com violões clássicos, na verdade bem diferente da versão que eu conheci e aprendi a escutar, que é a do álbum ao vivo “Tokyo Tales“, onde eles começam já com as guitarras pesadas. Mas a versão original que temos aqui é igualmente maravilhosa. Com as guitarras pesadas e os riffs intrincados da dupla Marcus Siepen e André Olbrich, que fazem a banda flertar de maneira muito intensa com o Thrash Metal ao mesmo tempo em que as melodias são inseridas no seu meio, fazem o ouvinte se sentir encantado logo se cara. E os violões do início dão as caras ao final, em uma música que beira a perfeição.

Outra música clássica da banda, desta vez “Journey Through the Dark“, chega com tudo. Mais agressividade e peso, com alternância de riffs rápidos como flechas, melodias e refrão feito para ser cantado em uníssono ao vivo, fazem desta música uma das minhas preferidas dessa fase mais Speed Metal da banda.

Os caras deram uma tirada brusca do pé do acelerador com a técnica e mais Prog “Black Chamber“, já dando uma amostra do direcionamento que a banda passaria a ter a partir do sucessor do sucessor deste álbum. Aqui o peso também não é deixado de lado e a música é excelente em toda a sua execução.

Dirk Behlau/Divulgação

Theatre of Pain” , a primeira das duas versões que constam no play, chega bem Hard Rock, inclusive fazendo a banda soar como as bandas Glam dos anos 1980. Uma boa música. Outra das minhas favoritas de todos os tempos na carreira do Blind Guardian chega e ela atende pelo nome de “The Quest for Tanelorn“, que começa com um violão despretensioso e logo os riffs pesados e ao mesmo tempo cavalgados chegam e tomam conta de tudo, em uma música muito densa e com um refrão épico, em que Hansi Kursch arrisca uma frase em latim. O solo aqui é uma coisa sensacional.

Ashes to Ashes” fica no meio termo entre o Speed e o Power Metal, onde mais uma vez as palhetadas de guitarra vão guiando a música, com uma breve quebra no andamento no refrão. E chega a música mais famosa da banda: “The Bard’s Song – in the Forest”, aquela coisinha fofinha que é obrigatória em todos os shows, que serve também para dar uma quebrada no ritmo frenético que é não só este álbum, mas também as apresentações dos caras. Aqui Hansi Kursch é acompanhado apenas pelos violões da dupla André Olbrich e Marcus Siepen, que aliás, incluíram várias linhas que vão da música clássica à Flamenca, com ótimos dedilhados. É aquela música que todos acendem as lanternas dos seus respectivos smartphones. Linda.

A segunda parte da “The Bard’s Song“, que aqui ganha o nome complementar de “The Hobbit“, já ganha mais peso e melodia, além dos acordes da faixa acústica que reaparecem aqui por um breve momento como riffs rápidos e pesados. A “viola” também dá as caras no encerramento.

The Pipper’s Calling” é um trecho de “The 79th’s Farewell to Gibraltar”, composta pelo major pipe John MacDonald, do 79º regimento de infantaria de linha do exército britânico, que era conhecido pelo nome de “79th Regiment of Foot”. São apenas 50 segundos tocados por uma gaita de fole. E logo a faixa título chega, trazendo de volta o Speed Metal, não tão vigoroso quanto as faixas iniciais, mas nada que comprometa o ótimo nível do disco, que até o momento passa de ano com louvor. Aqui temos até uma breve passagem do que ouvimos na faixa anterior, com inclusão de um trecho da gaita de fole inclusa na faixa anterior, além de muita melodia também.

As próximas duas músicas são covers, que a banda resgatou de uma de suas demos, o “Blind Guardian IV”, de 1991: o Queen ganhou uma homenagem com “Spread Your Wings“, que honestamente eu escutei a versão dos alemães antes de conhecer a original. E onfesso que adoro esse cover. A outra banda homenageada foi o Satan, com uma versão Speed Metal para ‘Trial By Fire“, com muito peso e guitarras pra lá de intrincadas, que ficou tão boa quanto a original.

Fechando a obra, temos uma versão que a banda chama de “Clássica” para a faixa “Theatre of Pain“, que pouco se difere da primeira, com as guitarras aparecendo menos, deixando o caminho livre para os teclados. O lado curioso do play é que a banda queria colocar as faixas “The Bard Song – in the Forest” e esta “Theatre of Pain” como singles, mas a gravadora não considerou. E ambas as músicas se tornaram populares.

Somewhere Far Beyond”, após 55 minutos nos dá uma verdadeira satisfação após o término e uma sensação do final de um ciclo da banda. O disco foi aclamado por fãs da Europa e do Japão, fazendo com que este aclançasse a primeira posição nas paradas da terra do sol nascente. Com isso, a banda realizou a sua primeira turnê fora da Europa e as apresentações no Japão em 1993 renderam o primeiro disco ao vivo dos caras, o maravilhoso “Tokyo Tales”; Foi através deste ao vivo que eu conheci a banda e tornei-me fã incondicional.

Em 2007, o nosso aniversariante foi relançado, ganhando duas faixas bônus: versões demo para as faixas “Ashes to Ashes” e “Time What is Time”. Mas o mais importante é o legado que este álbum deixou e também o fato de que ele envelhece bem. Então é dia de saudarmos e exaltarmos este play, o mais novo trintão da cena. É uma boa pedida escutar essa obra de arte, enquanto aguardamos pelo novo álbum da banda, o esperado “The God Machine“, que será lançado em 2 de Outubro, o dia em que aqui no Brasil nós iremos derrotar esse desgoverno fascista e corrupto.

Somewhere Far Beyond – Blind Guardian

Data de lançamento – 29/06/1992

Gravadora – Virgin

 

Faixas:

01 – Time What is Time

02 – Journey Through the Dark

03 – Black Chamber

04 – Theatre of Pain

05 – The Quest for Tanelorn

06 – Ashes to Ashes

07 – The Bard’s Song – in the Forest

08 – The Bard’s Song – The Hobbit

09 – The Pipper’s Calling

10 – Somewhere Far Beyond

11 – Spread Your Wings

12 – Trial by Fire

13 – Theatre of Pain (Classic Version)

 

Formação:

Hansi Kursch – Baixo/Vocal

André Olbrich – Guitarra/Violão

Marcus Siepen – Guitarra/Violão

Thomen Stauch – Bateria

 

Participações especiais:

Kai Hansen – Guitarra solo (em “The Quest for Tanelorn”)

Piet Sielck – Efeitos/Guitarra

Mathias Wiesner – Efeitos/Baixo (em “Spread Your Wings”)

Rolf Köhler – Backing Vocal

Billy King – Backing Vocal

Kalle Trapp – Backing Vocal

Stefan Will – Piano

Peter Rübsam – Gaita de fole