Notícias

Memory Remains: Bruce Dickinson – as bodas de prata de “Skunkworks”, uma obra subestimada

Em 19 de fevereiro de 1996, era lançado o terceiro álbum solo da carreira de Bruce Dickinson. E esse disco é o mais controverso. Nem por isso ele deixa de ser importante. Trata-se de “Skunkworks“, que é tema do nosso Memory Remains desta sexta-feira.

Chamado por alguns de maneira pejorativa de “disco grunge” de Bruce Dickinson, é óbvio que é exagero. O disco tem flertes com outros estilos, não sendo o Metal como predominante e não foi tão badalado quanto o antecessor, “Balls to Picasso“.

Então após a gravação do já citado “Balls to Picasso“, a banda de Roy Z, o Tribe Of Gypses não pôde acompanhar Bruce e assim ele resolveu montar uma banda para excursionar: o guitarrista Alex Dickson, o baixista Alessandro Elena e o baterista Chris Dale foram os escolhidos. A parceria deu tão certo que em 1995, a banda já estava trabalhando no álbum novo.

Bruce queria ter uma banda de fato e não ser conhecido por ser ex-vocalista do Iron Maiden em carreira solo. Então ele quis batizar a banda como Skunkworks, mas a gravadora, a Sanctuary, por razões óbvias, vetou a ideia. Restou ao vocalista apresentar o novo trabalho sob o seu nome: claro que venderia muito mais do que um novo e desconhecido nome na cena.

A explicação para o nome Skunkworks é uma alusão ao referência ao projeto Skunk Works, o departamento de projetos avançados da Lockheed Martin, que foi responsável por dezenas de aviões militares. Sabemos que Bruce Dickinson é piloto de avião e certamente iria abordar isso em algum momento.

Skunkworks” é um álbum bastante diferente na carreira solo de Bruce, a começar pela sonoridade, bem voltada ao Hard Rock. A outra mudança foi no timbre vocal, já que ele abandonou os gritos que ele dava nos tempos do Iron, melhorando sua performance. E a mudança também se dava na aparência, ele cortaria o cabelo, como fizeram alguns rockstars na época.

Enfim, os caras se reuniram no “Great Linfor Manor,” na Inglaterra, com a produção de Jack Endino, para a gravação do aniversariante de hoje e vamos lá, conforme o caro leitor já está habituado, destrinchar faixa por faixa desta belezura de disco.

Carlos Pupo/Headbangers News

Colocando a bolacha para rolar, temos a agradável “Space Race“, que já mostra uma atmosfera diferente em relação aos álbuns anteriores. Um solo bem executado. “Back From the Edge” tem influências setentistas e é também muito boa de se ouvir. Com boas viradas de Chris Dale. A banda nova de Bruce causava uma excelente impressão.

Chega “Inertia” e essa é a minha música favorita de toda a carreira solo de Bruce Dickinson. Ela começa bem calma e vai ganhando uma atmosfera incrível e uma densidade que poucas músicas ele conseguiu obter. Essa música foi veiculada na MTV, com o clipe que lembra muito o da banda brasileira Secos e Molhados. Eu conheci essa música em uma coletânea da extinta revista “Showbizz“. A sequência se dá com “Faith“, que é pesada na medida certa, com um ótimo solo de Alex Dickson, com um efeito que casou muito bem com a música, que é uma das minhas favoritas.

Solar Confinement” tem uma energia incrível e um refrão que gruda na mente do ouvinte. Ai chegamos a duas músicas que tem características parecidas: “Dreamstate” e “I Will Not Accept the Truth“. Ambas são densas e tem uma certa dramaticidade, a diferença é que nesta última, Bruce ensaia os gritos que ele dava nos tempos na Donzela de Ferro. Felizmente é só por aqui.

Temos “Inside the Machine” com sua guitarra bem swingada, além de outro brilho no solo por Alex Dickson. Realmente, a banda que Bruce escolheu aqui era de um talento imenso.

Headswitch” tem uma pegada mais descompromissada, o que não faz dela uma música ruim, pelo contrário. Ela talvez seja a música mais Metal deste disco e bem curta como uma música punk.

Meltdown” é uma música bem intensa, com uma atmosfera legal, enquanto que “Octavia” é a música mais agradável deste play, eu particularmente adoro ouvir essa faixa. “Innerspace” é outra bela música, com excelentes riffs de guitarra e outra com um clima incrível, enquanto que “Strange Death in Paradise” encerra a bolacha com bastante melancolia, em uma música densa, que Bruce Dickinson explora bem sua potência vocal, em uma ótima performance do frontman.

E após 47 minutos temos sim, um belo disco, que embora tenha sido ignorado pelos fãs e até mesmo pelo próprio Bruce Dickinson, que por vezes não tocava músicas deste disco, é uma obra que tem o seu valor e que merece uma segunda chance do fã que ainda torce o nariz.

Bruce retomaria a parceria com Roy Z no disco subsequente, mas isso é assunto para uma próxima oportunidade. Hoje é dia de exaltar “Skunkworks“, o disco solo de Bruce que eu mais escutei dentre todos e torcer para que, se futuramente ele resolver sair novamente do Iron, ou conciliar a carreira solo com seu trampo atual, que volte a tocar músicas do aniversariante do dia.

Skunkworks – Bruce Dickinson

Data de lançamento: 19/02/1996

Gravadora: Sanctuary

Faixas:

01 – Space Race

02 – Back From the Edge

03 – Inertia

04 – Faith

05 – Solar Confinement

06 – Dreamstate

07 – I Will Not Accept the Truth

08 – Inside the Machine

09 – Headswitch

10 – Meltdown

11 – Octavia

12 – Innerspace

13 – Strange Death in Paradise

Formação:

Bruce Dickinson – Vocal

Alex Dickson – Guitarra

Alessandro Elena – Baixo

Chris Dale – Bateria