Notícias

Memory Remains: Dream Theater comemora as três décadas de “Images and the Words” e ela estreia de James LaBrie

1992 é um ano emblemático para o Rock de maneira geral. Ótimos lançamentos e que neste ano de 2022 completam 30 anos. Agora é a vez de “Images and the Words“, o segundo álbum do Dream Theater, que é tema do nosso Memory Remains desta quinta-feira. Vamos contar um pouco da história deste play.

Uma grande mudança ocorreu no lineup da banda para a gravação do aniversariante do dia e tal mudança se deu na voz do quinteto de Long Island. Logo após o lançamento do debut album, “When Dream And Day Unite“, o vocalista Charlie Dominici foi demitido por divergências musicais. A banda passou dois anos sem um frontman, até que chegaram ao nome do canadense James LaBrie, que atuava na banda de Hard Rock Winter Rose. Duzentos candidatos concorreram à vaga, que pertence a LaBrie até os dias atuais.

Assim sendo, a banda com seu novo vocalista adentrou ao “Bear Tracks Studio“, em Suffern, Nova Iorque e também no “The Hit Factory“, na cidade de Nova Iorque, durante o mês de dezembro de 1991, sob a batuta do produtor David Prater. A masterização aconteceu no “Sterling Sound“, também em Nova Iorque.

Antes de começar a destrinchar as nove faixas que fazem parte deste play, há que se destacar dois fatores: o primeiro é que trata-se de um dos maiores álbuns da banda, os fãs em sua maioria o tem como o preferido. O segundo fato é que apesar de ter boas canções e de ser feito por músicos altamente gabaritados, estamos falando de um disco com canções demasiadamente complexas e muito longas, em maior escala que o álbum anterior. Só para que o leitor tenha ideia, na estreia, eram quatro as músicas com mais de seis minutos, nenhuma ultrapassava a marca dos nove; aqui em “Images and the Words“, são cinco as faixas extremamente longas, que variam de 7 a 11 minutos. Ou seja, tem que gostar muito para escutar sem entrar em profundo tédio. Chega de delongas e vamos comentar faixa por faixa.

Pull me Under” é certamente o maior hit da banda e abre o play em grande estilo, ainda que seus oito minutos não sejam lá muito convidativos para que uma música se torne medianamente popular. Mas, os caras fizeram um videoclipe com uma versão reduzida, que circulou com certa frequência na MTV, fazendo com que o mundo olhasse para esse novo quinteto que energia. Musicalmente falando, ela é pesada e técnica, sendo essa uma das favoritas deste redator que vos escreve. Belo início.

Rayon Richards

A primeira música se encerra do nada e a impressão é que o disco está com algum problema, só que não, entra a faixa de número dois, a jazzística “Another Day“, que nada tem a ver com uma canção de Rock ou mesmo de Metal, mas serve para mostrar a versatilidade musical dos caras. “Take the Time” traz o peso de volta em uma música com uma abertura épica e com todo o virtuosismo de John Petrucci. Em 8 minutos ela se desenvolve da melhor maneira que o Metal Progressivo pode se apresentar e com um belo refrão e uma ótima performance no solo de teclado, com Kevin Moore, o maior tecladista que passou pelo DT, em minha opinião pessoal.

Surronded” começa com ar de que vai ser uma balada sem graça, mas aos poucos ela cresce, ficando densa e com direito até a algumas viradas do excelente Mike Portnoy, o único que poderia assumir as baquetas do Rush caso os canadenses resolvessem continuar na ativa, mesmo sem o maior de todos, o inesquecível Neil Peart. A música viaja e retorna para o final da mesma maneira serena que se iniciou.

A segunda parte se inicia com “Metropolis Pt. I (The Miracle and the Sleeper)” e seus 9 minutos de duração, que ainda não é a música mais extensa do play. E tem um riff de guitarra ali que lembra muito o riff de “Dead Embryonic Cells“, do Sepultura. Particularmente, eu duvido muito que os brasileiros tenham servido de inspiração, até porque trata-se de vertentes completamente opostas. A música é cheia de passagens diferentes. E em 1999, a banda gravaria a parte II, não como uma canção e sim como um álbum completo, o excelente ‘Metropolis Pt II: a Scenes From Memory“.

Under a Glass Moon” tem uma das melhores, introduções em uma música do DT. Riffs perfeitos combinados com batidas precisas de um Mike Portnoy inspirado. Só não digo que essa é a melhor introdução porque eles depois fizeram uma ainda mais sensacional, em “Beyond This Life”. Aqui temos o Prog Metal sendo destilado com a maior qualidade possível e no refrão a coisa fica agitada com os bumbos duplos de Portnoy protagonizando

Waiting for Sleep” é uma coisa muito rara em músicas do Dream Theater: ela tem apenas dois minutos e tudo se resume aí teclado de Kevin Moore fazendo um duo com a voz de LaBrie em uma balada bonitinha. “Learning to Life“, com seus intermináveis 11 minutos, encerra o play e é uma faixa que não empolga e encerra de maneira melancólica um álbum que no geral é bem acima da média.

Temos 57 minutos de um bom álbum, que alterna grandes momentos e também outros poucos tediosos, mas no geral o disco se sai bem. É mais pesado que o anterior e menos pesado do que seria o sucessor, “Awake“, lançado dois anos depois e que também terá seu espaço em nosso quadro. Com três vídeos, o álbum ajudou a tornar a banda mais popular, e como dito no início deste texto, considerado o melhor por muitos fãs.

Uma curiosidade acerca desse álbum é que no encarte, na parte dos “agradecimentos especiais”, a banda fez uma trollagem com o Fates Warning, mudando a grafia do nome desta para Fatez Warning, de maneira intencional. A razão, uma resposta bem humorada para a banda que, no seu álbum “Parallels“, ao citar o quinteto nos agradecimentos, escreveu Dream Theatre. O vocalista James LaBrie fez uma participação especial na faixa “Life in Still Water” e por isso o agradecimento, ainda que escrito de maneira errada. Aí o DT resolveu usar o bom humor para responder os colegas.

O solo de guitarra da faixa “”Under a Glass Moon” foi eleito o 98° em uma lista dos 100 melhores solos, em votação com os leitores da revista “Guitar Player“. O álbum ganhou disco de platina nos Estados Unidos, pela marca de 1 milhão de cópias vendidas. Bons tempos em que as pessoas comprava discos e dedicavam parte de seus tempos para escutá-los. Mike Portnoy admitiu que esse foi o disco que colocou o DT no mapa, ainda que, segundo suas palavras, isso tenha demorado um pouco para acontecer.

De fato, “Images and the Words” foi moldando a sonoridade do DT, fazendo com que eles deixassem de soar como uma mera cópia do Rush, como deixou transparecer no disco de estreia. Era o início da afirmação da banda, que viria a se tornar referência no Prog Metal. Então hoje é dia de celebrar e escutar esse belo disco, agradecendo por ter o Dream Theater sendo mais uma das bandas a ter passado praticamente imune a essa pandemia interminável. Temos a banda na ativa e lançando álbuns, para delírio dos fãs. Longa vida ao DT.

Images and the Words – Dream Theater

Data de lançamento – 07/07/1992

Gravadora – Atco

 

Faixas:

01 – Pull me Under

02 – Another Day

03 – Take the Time

04 – Surronded

05 – Metropolis Pt I (The Miracle and the Sleeper)

06 – Under a Glass Moon

07 – Waiting for Sleep

08 – Learning to Live

 

Formação:

James LaBrie – vocal

John Petrucci – guitarra

John Myung – baixo

Mike Porrnoy – bateria

Kevin Moore – teclado