Notícias

Memory Remains: Motörhead – 29 anos de “March or Die”, os problemas na formação e contribuições de Lemmy com Ozzy Osbourne

Em 14 de agosto do já longínquo ano de 1992, o Motörhead lançava “March or Die”, seu décimo álbum de estúdio. O aniversariante do dia marca o último registro da banda sob contrato com a Epic e é assunto do nosso Memory Remains deste sábado..

Apenas um ano após o lançamento do antecessor, “1916”, que foi sucesso de crítica e inclusive, indicado ao Grammy, o Motörhead tinha uma tarefa árdua, que seria a de lançar um álbum a altura. Se não é um brilhante álbum, ele tem a sua importância na carreira da banda.

É bom analisar o cenário musical da época, pois no início dos anos 1990, as bandas de Heavy Metal estavam entrando no período de crise: só o Metallica brilhava com i “Black Album“, o disco mais bem sucedido da história da banda; Pantera e Sepultura começavam a despontar no cenário e se tornariam os grandes nomes da cena pesada; e no ano de 1992, o Rock Alternativo era a grande sensação do momento, com as bandas do movimento Grunge dando as cartas. O cenário não era muito favorável para a banda de Lemmy,

Aqui contamos com grandes convidados, como Slash e Ozzy Osbourne. Sobre o “Madman”, uma curiosidade: Sharon Osbourne, esposa e empresária do vocalista, ligou para Lemmy e pediu para que ele escrevesse algumas letras, para o sucesso que foi o álbum “No More Tears” e quatro faixas acabaram ganhando o nome do grande Lemmy nos créditos: “I Don’t Want to Change the World”, “Desire”, “Hellraiser”, que entrou neste play e o sucesso “Mama I’m Coming Home” Sbore isso, ele contou em sua autobiografia:

“Sharon me ligou e disse: eu vou te dar a quantia x de dinheiro para você escrever algumas músicas para Ozzy e eu disse que estava tudo bem. Escrevi seis ou sete conjuntos de palavras e ele acabou usando quatro delas. Ganhei mais dinheiro escrevendo essas canções do que ganhei em quinze anos de Motörhead. Ridículo, não é?”

A parceria foi ainda mais adiante, já que Ozzy gravou com Lemmy os vocais na faixa “I Ain’t no Nice Guy”, que conta ainda com uma participação de Slash fazendo um solo,

Assim sendo, a banda, ainda um quarteto, adentrou ao “Music Grinder Studios”, com Peter Solley assinando a produção mais uma vez. Mas as coisas não fluiram perfeitamente, uma vez que Phil Taylor fora demitido, pela segunda vez e aqui, ainda no começo do processo de gravação, sendo creditado somente na faixa “I Ain’t no Nice Guy”. Tommy Aldridge e Mikkey Dee completariam as lacunas deixadas pelo baterista outrora titular. Vamos dissertar sobre as onze faixas contidas aqui:

A enérgica “Stand” abre o trabalho com o velho Rock and Roll visceral que o Motörhead praticou, aqui com o detalhe de ter um refrão grudento. Bom início. A faixa que segue é o cover para “Cat Scretch Feever”, de Ted Nugent, que a banda conseguiu dar a sua cara à música. Honestamente, eu ainda prefiro a versão do Pantera, mas está aqui também ficou legal, mais arrastada do que o quarteto texano conseguiu.

Reprodução

Bad Religion” é mais Hard Rock, com bons riffs de guitarra e um solo que faz o ouvinte desavisado achar que se trata de uma das bandas Glam dos anos 1980. “Jack the Ripper” traz riffs hipnotizantes e uma pegada sensacional, além de uma mudança de andamento que a deixa mais Stoner, bem pesada. De longe a minha eleita como a melhor deste play.

I ain’t no Nice Guy” traz uma agradável melodia de violão e aqui temos uma coisa rara: o Motörhead fazendo balada. Com a canja de Ozzy Osbourne e com um brilhante solo de Slash, as coisas não tinham como dar errado aqui. Aqui uma das faixas que Lemmy escreveu para “No More Tears” e que abrilhanta o aniversariante do ia: é “Hellraiser”, O convidado especial aqui é o baterista Mikkey Dee, que depois entraria na banda, ficando até o final. Uma boa música.

Em “Asylum Choir” temos de volta o Rock and Roll a moda Motörhead. O mesmo clima temos em “Too Good to be True”, enquanto que em “You Better Run” é bem bluesy, tendo no baixo de Lemmy o seu leme, direcionando e ditando o ritmo, além de um teclado, dando aquele clima do Rock dos anos 60.

Name in Vain” tem um andamento bem rápido e é outra música que se destaca entre as melhores do play e a faixa título é a única faixa dispensável. Ela é bem chatinha com seu clima sombrio, mas isso não é nada diante das faixas anteriores e nem vai tirar o brilho do álbum de maneira geral.

O álbum teve relativo sucesso em alguns charts pelo mundo como o 16º lugar na Áustria, 21º na Alemanha, 42º na Suécia, 18º na Suíça e 60º no Reino Unido. Provavelmente a recém indicação ao Grammy pelo álbum anterior e a participação da lenda Lemmy em “No More Tears”, o maior sucesso comercial de Ozzy, tenham sido influentes.

Temos em 46 minutos um álbum tanto quanto subestimado, pois Lemmy foi até mesmo acusado de buscar o sucesso comercial e de tentativa de destruir o próprio legado, Sim, ele tem seus bons momentos. É claro que não pode ser comparado aos clássicos “Overkill”, “Iron Fist”, “Bomber” ou “Ace of Spades“, mas merece ser celebrado na presente data

March or Die – Motörhead

Data de lançamento – 14/08/1992

Gravadora – Epic

Faixas:

01 – Stand

02 – Catch Scratch Feever

03 – Bad Religion

04 – Jack the Ripper

05 – I Ain’t no Nice Guy

06 – Hellraiser

07 – Asylum Choir

08 – Too Good to be True

09 – You Better Run

10 – Name in Vain

11 – March or Die

 

Formação:

Lemmy Kilmster – Baixo/ Vocal

Zööm (Pseudônimo adotado por Phil Campbell) – Guitarra

Würzel – Guitarra

 

Participações especiais:

Tommy Aldridge – Bateria

Mikkey Dee – Bateria em “Hellraiser

Phil “Animal” Taylor – Bateria em “I Ain’t no Nice Guy

Peter Solley – Teclado

Slash – Guitarra solo em “I Ain’t no Nice Guy” e guitarra adicional em “You Better Run”

Ozzy Osbourne – Vocal em “I Ain’t no Nice Guy