Notícias

Memory Remains: The Beatles – 57 anos de “Beatles for Sale” e as críticas pela quantidade excessiva de covers

Lennon, McCartney, Harrisson e Starr. Esse quarteto, sob o nome de Beatles foi a maior banda de Rock da história. Eles revolucionaram toda uma geração e influenciaram muitos dos artistas que admiramos nos dias atuais. E o Memory Remains deste sábado vai tratar de “Beatles for Sale“, o quarto álbum do banda, lançado neste 4 de dezembro, há exatos 57 anos.

Estamos considerando a data de lançamento na terra natal da banda, o Reino Unido, pois o álbum foi lançado nos Estados Unidos somente em 15 de dezembro daquele mesmo ano. A edição britânica saiu pela “Parlophone“, enquanto que a estadunidense foi lançada pela “Capitol“. O álbum foi concebido no meio do boom que se tornou a beatlemania, sobretudo pelo lançamento do álbum e do filme “A Hard Day’s Night“. No Brasil, o filme ganhou o título de “Os Reis do Iê, iê, iê“.

Os garotos de Liverpool estavam extremamente cansados da rotina de turnês e apresentações nos programas de TV que tinham a banda como protagonistas e apenas dois meses depois do lançamento de “Hard Day’s Night“. Eles ficaram enfurnados dentro do famoso estúdio “Abbey Road” entre os dias 14 de agosto e 26 de outubro de 1964, tendo George Martin, o companheiro de longa data, assinando a produção.

O álbum é recheado de covers, sendo o disco de banda que mais tem músicas de outros artistas: nada menos que seis das quatorze músicas não foram compostas por eles. O maior destaque é para a versão para “Rock and Roll Music“, de Chuck Berry. Mas a inclusão de um número excessivo de covers fez com que muitos críticos escolhessem o aniversariante do dia como o pior álbum da carreira dos Beatles. A alegação é de que as versões seriam um passo atrás. Porém, até aquele momento, somente o já citado “Hard Day’s Night” era composto 100% de material autoral. Mas muitas dessas versões já eram executadas pela banda nos primórdios.

Robert Freeman/Capitol Records

Temos um álbum relativamente curto, são 34 minutos com boas canções, ainda que a banda não tenha feito nenhum de seus grandes hits nesse álbum. Temos bons momentos de Rock ‘n’ Roll com mistura de elementos folk e até mesmo Country. A dupla John Lennon e Paul McCartney segue responsável pelas músicas, sendo que especialmente a faixa Till Follow the Sun foi escrita por McCartney quando ele tinha apenas 16 anos e ele foi levado juntamente com sua turma do colégio para um passeio no campo pelo professor. Todas as músicas foram creditadas à dupla, mesmo que tenha sido de autoria de apenas um deles.

Beatles for Sale alcançou o topo das paradas entre os anos de 1964 e 1965 na Austrália, Alemanha e Reino Unido. Em 1987, quando o álbum passou também a ser editado em formato de CD, chegou ao 45° lugar no Reino Unido e ao 17° nos Países Baixos. E mais recentemente, em 2009, o álbum chegou ao 31° na Suécia, 35° na Finlândia, 40° na Nova Zelândia e 56° no Reino Unido. O álbum foi certificado com disco de ouro na Austrália, Canadá, Reino Unido, além de Disco de Platina na Argentina, Estados Unidos e Nova Zelândia.

E aqui está um bom disco que ajudou a escrever a história dos Beatles, a banda que promoveu uma verdadeira coqueluche por parte dos fãs mundo afora. Eles merecem todo o reconhecimento possível e muitas das bandas contemporâneas não existiriam se não fosse pela genialidade destas quatro feras. É nosso dever zelar pela história e legado dos Beatles.

Beatles for Sale – Beatles
Data de lançamento – 04/12/1964
Gravadora – Parlophone

Faixas:
01 – No Reply
02 – I’m a Loser
03 – Baby’s in Black
04 – Rock and Roll Music
05 – I’ll Follow the Sun
06 – Mr. Moonlight
07 – Kansas City/ Hey Hey Hey
08 – Eight Days a Week
09 – Words of Love
10 – Honey Don’t
11 – Every Little Thing
12 – I Don’t Want to Spoil the Party
13 – What You’re Doing
14 – Everybody Trying to be my Baby

Formação:
John Lennon – vocal/ backing vocal/ violão/ guitarra/ harmônica/ pandeiro/ palmas
Paul McCartney – vocal/ backing vocal/ baixo/ violão/ piano/ órgão/ palmas
George Harrisson – guitarra/ violão/ backing vocal/ vocal em “Everybody trying to be my Baby
Ringo Starr – bateria/ pandeiro/ vocal em “Honey Don’t