Notícias

Necropolítica é tema de nova música do Dysnomia

Há alguns anos o termo necropolítica poderia passar despercebido, mas, na história recente, a palavra passou a integrar o cotidiano. Ela é inspiração da banda Dysnomia em seu novo single – ‘Necropolítica’ – já disponível nos apps de música e clipe no YouTube e que abre os trabalhos do próximo álbum, ‘A Queda do Céu’, com lançamento em 11 de julho e pré-venda disponível em bit.ly/dysnomia-store.

Necropolítica é um termo cunhado pelo filósofo e teórico político camaronês Achille Mbembe para explicar discursos e ações de Estado guiados para definir quem tem ou não direito à vida prejudicando e vitimando minorias e vulneráveis em suas decisões.

Ouça Necropolítica — Dysnomia

Spotify: https://spoti.fi/3xSEkgE

Deezer: https://bit.ly/3twVTA4

“O conceito pode ser, grosso modo, explicado como a vida subjugada pelo poder da morte, perpetrado pelo poder político que dita quem são as vidas “descartáveis” e quais são aquelas que valem a pena serem mantidas, confluindo muitas vezes na eliminação sistemática e controlada de grupos sociais específicos, tais quais os mais pobres, os negros e os indígenas”, explica o vocalista do Dysnomia João Jorge Pereira.

Composta no ano passado, inspirada pelas influências da pandemia de Covid-19 na política interna e externa, Necropolítica será a sétima faixa em ‘A Queda do Céu’. Outras bandas têm se baseado na mesma temática, como Ratos de Porão que lançou recentemente álbum também intitulado Necropolítica.

Ficha técnica do clipe:

Imagens e Edição: Afonso Cruz

Iluminação – Giovanni Andrade / Guilherme Ferreira

A capa de Necropolítica, single do Dysnomia

A capa de Necropolítica, single do Dysnomia

Sobre ‘A Queda do Céu’

O álbum ‘A Queda do Céu’ costura temáticas já abordadas pelo Dysnomia em seus discos anteriores, com influência de escritores, filósofos e pensadores diversos. Existem músicas de cunho mais politizado, como a própria ‘Necropolítica’, outras de teor introspectivo, como ‘Insomnio’ e ‘Memento’ que discorrem sobre a existência e a mortalidade do ser humano, outras sobre a vaidade e a ignorância da humanidade escravizada pelas redes sociais, como em ‘Os próprios Deuses’, e ainda faixas que são um alerta sobre o processo auto-destrutivo da humanidade pela ótica de um dos povos indígenas mais importantes do país, os Yanomami, localizado no coração da floresta Amazônica, que como tantos outros, são vítimas da ganância e do extermínio infligido pelo homem branco.

Adquira “A Queda do Céu” na pré venda em: bit.ly/dysnomia-store

A faixa ‘A Queda do Céu’, título do álbum, foi inspirada no livro homônimo, de autoria do xamã Yanomami Davi Kopenawa em conjunto com o antropólogo francês Bruce Albert.

“Temos grandes expectativas em relação a esse disco, nos empenhamos muito em todas as fases de sua feitura, desde a composição, passando pela pré-produção e pelas artes, para que pudéssemos ter um resultado ainda melhor que em seus antecessores. Acrescentamos alguns elementos e temos várias surpresas para o público. Esperamos que esta obra seja bem recebida por quem escutá-la e também pela crítica, mas, sobretudo, que soe especial aos fãs de metal, que é a música e o meio de vida e expressão que tanto amamos e que nos motiva a continuar nessa jornada a despeito das dificuldades”, explica o vocalista João Jorge Pereira.

A capa de ‘A Queda do Céu’ é criação do artista Thiago Del Ponte. A produção é assinada pela banda e por Gabriel do Vale, responsável também pela gravação, mixagem e masterização, no Gabriel do Vale Estúdio, e a orquestração é de Marcelo Liam.

 

Sobre Dysnomia

Inspirando seu trabalho em bandas como Death, Krisiun, Morbid Angel, Carcass, At the Gates, Opeth, Dysnomia está na estrada há 15 anos. Dysnomia, filha de Éris, a deusa da discórdia na mitologia grega, era uma espécie de divindade menor, os chamados daemons, ligada à conceitos de desobediência civil e desordem. O EP ‘As Chaos Descends’ (2013) surge como o trabalho de estreia que trouxe produção de Luciano Matuck, no Matuck Studio, e importante assinatura de Heros Trench na masterização, pelo Mr. Som Estúdio.

O trio, posteriormente iniciado como quarteto, tem como um dos pontos de destaque a composição das letras que sempre miram  referências na literatura. Esse processo ocorreu de maneira natural e em grande parte pelo interesse do vocalista João Jorge, que é grande consumidor de literatura e formado em Letras pela Unesp (Universidade Estadual Paulista).

Na sequência chega ‘Proselyte’ (2016), álbum que trata do proselitismo e aborda o significado e as problemáticas deste termo e joga luz à complexa relação entre o indivíduo e os vieses ideológicos que definem as visões de mundo de cada um de nós. Segundo textos bíblicos, “Proselyte”, a princípio, era a denominação dada aos recém convertidos à religião judaica e é a origem do termos proselitismo que posteriormente passou a adjetivar sectários de qualquer ideologia, relacionada ou não às religiões, que tentam o convencimento do outro de seu ponto de vista como único válido e verdadeiro.

Depois, Dysnomia surge com o lançamento de ‘Anagnorisis’ (2018), trabalho que despertou curiosidade por tratar, entre outros assuntos, do tema da mitologia grega, além de trazer alusões a obras literárias e filosóficas. Em “Anagnorisis” a banda explorou a criação de suas letras no Youtube lançando série que explica o significado das canções para quem gosta ou é curioso sobre lírica do rock.

A proposta sonora do Dysnomia consiste em um som agressivo, que passeia pelas mais diversas variantes e subgêneros do metal, concentrando-se no death e thrash, somando a vasta gama de diferentes influências apresentadas por seus integrantes e a bagagem adquirida através da passagem por diversos outros projetos e bandas locais como Witch Hunter, The Trash, Neuro-Visceral Exhumation, Baruyo, Straightdown, Kriptya e Ludhiam.

Dysnomia tem passagens por importantes palcos e festivais do Brasil como Araraquara Rock, Live CEMAC, Rock na Estação (São Carlos), Alternatal (Araraquara), Grito Rock e Roadie Crew – Online Festival” – 19ª Edição. Também possui uma turnê internacional sul americana para o disco “Anagnorisis” que passou por Colômbia, Equador e Peru.

A banda Dysnomia, da esquerda para a direita: Érik Robert (bateria),  Denilson Sarvo (baixo) e João Jorge Pereira (vocal e guitarra)

Vitor Bido/Divulgação

A banda Dysnomia, da esquerda para a direita: Érik Robert (bateria), Denilson Sarvo (baixo) e João Jorge Pereira (vocal e guitarra)

Dysnomia é:

João Jorge Pereira (vocal e guitarra)

Denilson Sarvo (baixo)

Érik Robert (bateria)

Discografia Dysnomia:

Promo Demo (2009)

As Chaos Descends (2013 EP)

Proselyte (2016)

Anagnorisis (2018)

A Queda do Céu (2022)

Siga Dysnomia

www.dysnomia.com.br

facebook.com/dysnomiabr

youtube.com/Dysnomiabr

instagram.com/dysnomiabr

https://linktr.ee/dysnomiabr