Notícias

O trágico 24 de Maio: 10 anos da morte de Paul Gray

“A única maneira de resumir Paul Gray é o amor. Sentirei sua falta com todas as fibras do meu coração, assim como todos nesta mesa e todos que o conheceram… Ele era o melhor de nós”

Corey Taylor disse na conferência de emergência realizada no dia seguinte ao falecimento de seu colega de banda.

Paul Dedrick Gray foi, sob muitos aspectos, o coração pulsante do Slipknot. Nascido em Los Angeles em 8 de abril de 1972, o baixista se mudou para Des Moines, Iowa na adolescência , e se interessou pela música desde o início, graças a algumas orientações de seu irmão mais velho, William ‘Jay’ Matthews, que o apresentou a bandas como Black Sabbath , Lynyrd Skynyrd, Led Zeppelin, Alice Cooper e KISS . Antes de sua adolescência começar, suas duas maiores revelações musicais chegaram na forma da estréia de Suicidal Tendencies em 1983 e, pouco tempo depois, experimentando o Slayer ao vivo.

“Há uma história engraçada sobre como eu comecei a tocar baixo. Quando me mudei para Iowa, não tinha amigos ou conhecia ninguém. Eu entrei na loja de música local e ouvi alguns caras falando sobre a necessidade de um baixista para sua banda, eles faziam covers de músicas do Slayer e Metallica. Então, sem conhecer ninguém e querendo conhecer pessoas, eu disse a eles que podia tocar baixo – mesmo que nunca tivesse tocado um na minha vida. Um dos amigos de meu irmão tinha um baixo destro estranho, e um amplificador de treino. Desci e toquei com eles. Eu não conhecia nenhuma das linhas de baixo, mas conhecia todas as partes da guitarra, então fingi. Eles acharam legal … foi assim que eu comecei a tocar baixo”, explicou Paul em seu DVD de instruções do “Behind The Player”.

Assim como a mudação da guitarra para baixo, Paul acabaria por conhecer os outros membros originais do Slipknot e seria uma decisão que mudaria a sua vida.

Como um dos três membros fundadores do Slipknot, Paul Gray rapidamente se tornou um dos principais compositores – seu nome mais frequentemente do que não foi encontrado nos créditos pelas faixas que não foram atribuídas ao grupo como um todo. O baixista frequentemente fez parceria com o ex-baterista Joey Jordison, desenvolvendo hinos antigos como “Surfacing” e “Spit It Out”, o primeiro incluindo riffs que ele escreveu nos anos com a banda Body Pit. Antes do Slipknot se tornar o que é hoje, em 1996, foi lançado o álbum “Mate. Feed. Kill. Repeat.”, no qual contava apenas com Paul Gray, Joey jordison, Shawn Crahan e Craig Jones.

Seu talento com riffs de torção com os dedos, incluindo deslizamentos e curvas extremas, foi o que fez com que se destaca-se ainda mais, uma habilidade que, sem dúvida, ele havia aguçado quando adolescente obcecado pelo Death Metal. O primeiro produtor Ross Robinson, que trabalhou na estréia auto-intitulada do grupo e seu acompanhamento em Iowa, chegou a rotulá-lo como a arma secreta da banda, abençoado com integridade absoluta e talento para apresentar as idéias mais inacreditáveis.

Perguntado sobre seus ídolos, Paul citou nomes como Flea e Bootsy Collins ao lado de influências mais audíveis, como Cliff Burton e Steve Harris.

Após escrever, gravar e excursionar quatro álbuns  – Slipknot (1999), Iowa (2001), Vol. 3: (The Subliminal Verses) (2004), All Hope Is Gone (2008) e o ao vivo 9.0: Live (2005) -, na maior banda de metal de uma geração, Paul faleceu em 24 de maio de 2010. Aos 38 anos foi encontrado por um empregado no dia em um quarto do Hotel Urbandale, ás 10H30 da manhã. Gray obteve acesso a diversos remédios controlados que resultaram em seu falecimento, cuja causa foi descrita, oficialmente, como overdose de morfina.

Quando morreu, deixou a esposa grávida de 5 meses, e era um dos três fundadores da banda Slipknot ainda na banda, e o único que tinha mantido o seu papel original na banda devido à mudança do Clown da bateria para percussão personalizada.

A família do baixista foi indenizada após julgamento de negligência médica pelo doutor Daniel Baldi, que havia prescrito a droga fentanil a Gray em 2010. O profissional da saúde – que também respondeu processo por mais 8 mortes -, foi então acusado de não ter fornecido o devido acompanhamento necessário ao tratamento do músico com tal substância.

 

October Gray, filha de Paul.

Reprodução de vídeo

October Gray, filha de Paul.

Brenna Gray, esposa de Paul, testemunhou que tentou falar com alguns dos colegas de banda, no Slipknot. apenas alguns dias antes da morte do baixista, mas que nenhum deles queria se envolver. Ela revelou: “Alguém jogava golfe a dois minutos da nossa casa, mas não podia ir. Ninguém mais se importava, ninguém estava envolvido. Eles me disseram que esse era o meu problema”. Revelou também em entrevista ao site Revolver que seu marido concordou em obter ajuda para seu problema com drogas apenas um dia antes de morrer.

Corey Taylor disse mais tarde à NME que Paul Gray gostaria que eles continuassem, então a banda cumpriu o “All Hope Is Gone Tour” declarando que Paul Gray não pode ser substituído. Porém, nos shows, Donnie Steele  que foi ex-guitarrista da banda, fazia a linha do baixo atrás dos palcos. O Slipknot voltou aos palcos em 2011 para uma pequena temporada de shows na Europa.

O primeiro show após a morte de Paul foi no Sonisphere U.K, transmitido ao vivo no site oficial da banda. Um cabide com o uniforme de Gray e sua máscara ficaram presentes nos palcos desses shows e no final da última apresentação da Tour eles fizeram uma homenagem ao antigo baixista, tirando fotos com “ele” e o destaque foi Joey Jordison, que ficou abraçado ao “corpo” de Paul chorando por alguns segundos, isso ao som de “Til We Die”, faixa presente no disco em questão.

No mesmo ano, em 2011, SlipKnot se apresenta no Rock in Rio, e foi um dos shows mais emocionantes que pude presenciar.

Hoje, após 10 anos de sua morte, sua música continua viva. E é lembrada  pelos fãs e pela banda na qual ele foi fundamental na criação. Após vários acontecimento no Slipknot, é possível acreditar que certas coisas jamais teriam acontecido na banda se Paul ainda estivesse vivo.