Notícias

Petbrick: projeto de Iggor Cavalera tem seu primeiro álbum lançado no Brasil

O Petbrick é um projeto de música industrial/noise da dupla formada por Wayne Adams (Big Lad / Death Pedals / Johnny Broke) e Iggor Cavalera (Soulwax / Mixhell / Cavalera Conspiracy / ex-Sepultura). Seu primeiro álbum “I” ganhará a versão nacional através dos selos Xaninho Discos, Rock Brigade Records e Voice Music.

Este encontro de mentes ocorreu inicialmente depois que Iggor – atualmente um residente em Londres – ficou impressionado com um show do Big Lad no Camden Underworld, resultando posteriormente nos dois manterem contato por e-mail, trocando arquivos do material em que estavam trabalhando, criando laços através do Eurorack (equipamento de sintetizador modular) e, eventualmente, Iggor visitando o Bearbiteshorse Studio de Wayne, onde as jams iniciais, movidos a café, provaram ser tão frutíferas, que o projeto ganhou vida própria. “Queríamos fazer algo diferente dos outros projetos em que estávamos envolvidos. Fazer um barulho horrível foi o primeiro conceito por trás do Petbrick”, diz Iggor. “Acho que percebemos que nós dois estávamos bem sintonizados um com o outro, gostamos tanto de música eletrônica esquisita quanto de guitarras decentes e extravagantes. Para mim, pessoalmente, eu definitivamente empurrei a eletrônica em uma direção muito mais dura “, avalia Wayne.

Mas você encontrará de tudo na ‘sujeira’ do Petbrick; Wayne tem uma variedade de disfarces musicais que vão do punk ao breakcore e gabba, já Iggor, influências do Metal ao eletrônico, resultando numa massa sonora caótica e visceral.

Na verdade, Petbrick logo começou a representar um mundo sonoro sem fronteiras, no qual qualquer um dos membros poderia explorar qualquer predileção musical ou pecadilho que os possuísse e sair com algo atraente, seja cadências de trilha sonora no estilo John Carpenter, texturas de sintetizador no estilo Alessandro Cortini. Intensidade punk impulsionada pelo D beat, ou – atendendo a uma ambição de longa data de Wayne – o som criado pela execução de todos os seus sintetizadores e baterias eletrônicas por meio de um pedal de distorção Boss HM-2 no estilo Entombed.

Wayne é só elogios ao parceiro de banda; “Acho que o lado industrial das coisas provavelmente vem muito do jeito de Iggor tocar. Ele bate forte, realmente forte pra caralho”. No entanto, em vez de ser um álbum com o pé firmemente no acelerador o tempo todo, é tão confortável com a atmosfera elegíaca de uma faixa como ‘Sect’ quanto a bebida hiperativa danificada pelo breakcore de ‘Roadkill Ruby’.

Além disso, vocalistas convidados também estão à disposição para aumentar a aposta. “Basicamente, todas as colaborações no álbum vêm de pessoas cujo trabalho amamos, e que também estão conectados como amigos”, diz Iggor “É muito importante para nós trazer vibrações diferentes para as músicas”. O resultado é livre para atravessar em qualquer lugar da intensidade máxima (como com Dylan Walker de Full Of Hell no escaldante ‘Radiation Facial’ ou com Dwid Hellion de Integrity em ‘Some Semblance Of A Story’) ao estimulante contraponto melódico (Laima Leyton (Mixhell) em ‘Coming’) e a loucura do fluxo de consciência do Mutado Pintado de Warmduscher.

Delirantemente potente, ‘I’ é mais do que apenas um exercício na chama afirmativa do espírito punk de oposição que queima todas ou quaisquer fronteiras musicais em seu caminho – é uma trilha sonora intransigente para uma nova era de curto-circuito. No entanto, raramente o som do mau funcionamento global também foi tão divertido.

Faixas:

01. Horse
02. Radiation Facial (feat. Dylan Walker)
03. Guacamole Handshake
04. Roadkill Ruby
05. Sect
06. Gringolicker (feat. Mutado Pintado)
07. Coming (feat. Laima Leyton)
08. Jesus Dropkick
09. Some Semblance Of A Story (feat. Dwid Hellion)
10. Dr Blair