Resenhas

Ballistic, Sadistic

Annihilator

9.5

A banda canadense Annihilator mostra que depois de mais de 30 anos de estrada ainda pode produzir um álbum realmente inspirado, com riffs realmente insanos, solos de guitarra impressionantes e que honram a época de glória do thrash metal old school dos anos 80, mas com uma produção muito mais refinada.

Este é um álbum que não pode ser negligenciado por nenhum verdadeiro fã do gênero, pois os esforços na composição de “Ballistic, Sadistic” são notáveis. Produzido e mixado pelo guitarista Jeff Waters, único membro original da banda, este disco foi gravado no Watersound Studios, em Durham, no Reino Unido.
Arrisco a afirmar que é uma das formações mais matadoras do grupo, que resultou em uma sonoridade extremamente agressiva.

“Armed To The Teeth”, por exemplo, faz uma mistura de riffs de hard rock com o thrash riffs, com o som do baixo tocado num ritmo vertiginoso. Aliás, parece que a banda fez alguma aposta entre seus membros de como tocar da maneira mais rápida possível durante as gravações, pois estão desafiando todos os seus limites.
“Psycho Ward” é uma das melhores faixas do álbum, tanto no solo de guitarra, quanto na harmonia e nos acordes. Ela sutilmente lembra gravações anteriores do grupo, mas evita cair na tentação da mesmice, como muitas outras bandas fazem.
O baterista italiano Fabio Alessandrini faz um trabalho impecável em “I Am Warfare”, como uma real máquina de guerra com sua precisão espancando impiedosamente seu instrumento.
“Out with The Garbage” e “Dressed Up for Evil” mantêm a pegada thrash tradicional e não desapontam.
Não esperem baladas neste disco, é porradaria do início ao fim. Um belo trabalho para celebrar o 30º aniversário de um grupo tão icônico e que merece muito respeito.