Resenhas

Bloodheads United

Bloodbound

8.0

Os velhos truques são sempre melhores e uma excelente fórmula a seguir. Em geral, quanto mais simples a apresentação, maior o apelo do público. E foi essa fórmula que Bloodbound usou para criar seu novo EP. Lançado em Abril pela AFM Records.

O EP contém cinco faixas, uma música nova, a faixa-título, além de quatro versões ao vivo de alguns de seus maiores sucessos. A banda lançou este pequeno presente para sua crescente base de fãs, os Bloodheads United. Um trabalho para ser uma boa maneira de apreciar a banda enquanto aguardamos por um novo álbum de inéditas. A faixa inédita, “Bloodheads United”, começa de onde a banda parou e carrega aquele som distinto pelo qual eles são reconhecidos ao longo dos anos. Com riffs bem produzidos e uma melodia mais lenta, está música é um grande hino. E não era pra menos, assim como o título e a arte da capa definem, a música é a pura energia dos fãs, com os ecos da platéia, os ‘bloodheads’ da banda, um som poderoso, uma homenagem fantástica às legiões de fãs da banda.

Sobre as outras 4 faixas, são versões ao vivo de músicas que se tornaram outros clássicos da banda, “Bloodtale” – serve como um número de abertura fantástico para os shows ao vivo – do disco Stormborn  (2014) , “Battle in the Sky” do  War of Dragons  (2017) ,” In the Name of Metal” do álbum com o mesmo nome, lançado em 2012 e “Moria” de Unholy Cross (2011) . Músicas ao vivo são sempre uma surpresa, pois não tem como apresenta-la exatamente igual em todos os shows, e neste EP, o Bloodbound soube escolher bem o repertório e a qualidade certamente está em pé de igualdade com as versões de estúdio, e juntando as interações da multidão, aumentam a atmosfera e mostram realmente como é testemunhar um show ao vivo da banda.

Embora não há muito o que dizer de músicas ao vivo, foi uma boa sacada coloca-las neste trabalho, como mais um presente aos fãs, que independente do que a banda fizer, se for bem feito, eles vão adorar e também serve como uma apresentação para quem está ouvindo pela primeira vez e com certeza irá querer conhecer mais sobre a banda e ouvir as versões de estúdio, o que leva o ouvinte a querer consumir o disco todo ao invés de ouvir apenas a faixa que está aqui no EP.

Bloodbound traz a fórmula antiga do Power Metal. E isso não é ruim, pode ser mais um disco sem grandes emoções – e alguém ousará dizer que é mais uma cópia das bandas clássicas do estilo – ou pode ser o truque antigo de usar uma receita que já existe e nunca falhou. E sim, a última opção é a melhor. Realmente não existe surpresas sobre este lançamento, nada tão novo que se torna um divisor de águas, mas é definitivamente algo que qualquer fã de power metal pode apreciar.

 

Faixas:
01. Bloodheads United
02. Bloodtale (Live)
03. Battle in the Sky (Live)
04. In the Name of Metal (Live)
05. Moria (Live)

Formação:
Fredrik Bergh  (Teclados)
Tomas Olsson (Guitarras)
Henrik Olsson (Guitarras)
Patrik J Selleby (Vocais)
Anders Broman (Baixo)
Daniel Sjögren (Bateria)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.