Resenhas

Growl

9 o'clock Nasty

8.5

O power trio britânico 9 o'clock Nasty compartilhou o novo EP, intitulado 'Growl', com três faixas de música de garagem e arte alternativa. Este é o terceiro lançamento desde ano, provando que o grupo trabalhou duro e conseguiu lançar três EPs em três meses - 'Dust', 'Dank' e 'Growl'. Todos com gosto bem eclético e, definitivamente, estendendo as fronteiras musicais.

É possível notar que 9 o’clock Nasty flerta com algo verdadeiramente original, nascendo depois que algumas pessoas que se conhecem há anos, e estiveram em muitas bandas diferentes, acabaram se unindo durante toda a experiência do Covid-19. Três garotos que se interessam por canções de garage rock, trip-hop, dub e new wave dos anos 80 e 90, post punk, música eletrônica e indie rock.

A primeira faixa, “Monstruosa”, apresenta uma dramática melodia, com bateria e o timbre clássico da guitarra mantêm um ritmo constante enquanto o baixo dá a sensação de que você está fugindo. A audição já começa cheia de sentimentos com esta canção. Segundo a banda, “É uma canção feliz sobre a morte. Sobre estar pronto no final. Livre de arrependimento”.

Seguindo com “Walkman Walk”, a presença do baixo continua constante com introdução do sintetizador. Uma canção que nos leva aos anos 80. Ao contrário do que todos pensam, a música não fala sobre amor, e sim sobre a separação da antiga banda dos integrantes, conforme a banda conta: “A perda na música é na verdade sobre a separação de uma banda, não um relacionamento romântico, mas em muitos aspectos, separar uma banda não é tão diferente”.

A última faixa, “Big Fish (In a Pool of Piss)”, fecha o disco em grande estilo com uma música alegre e dançante. “Encontramos um groove e uma ideia que nos fez rir e a seguimos. Foi só mais tarde, quando Sydd começou a tocar a bateria, que ficou com aquela sensação escorregadia”.

‘Growl’ tem letras divertidas, onde os músicos se divertem com seus instrumentos e vídeos musicais excêntricos – que podem ser vistos no youtube. Os três lançamentos são de fácil audição, e é uma ótima pedida para a playlist. O melhor parte e que torna o trabalho interessante, é que a banda não segue padrões e faz algo inusitado. “Não estamos tentando agradar a ninguém, estamos escrevendo as músicas que queremos fazer”

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.