Resenhas

Human VS. Machine

Marcelo Souza

8.5

Marcelo Souza é um guitarrista conhecido na cena paulista, sobretudo na região do Vale do Paraíba. O cara é Bacharel em guitarra pela FASC, professor de guitarra e atua como guitarrista em sua carreira solo, além de tocar em bandas. No momento, ele toca com a banda Rockway, que presta homenagem aos clássicos do Rock. Tem em seu currículo apresentações no Brasil e na América do Sul, além de ter participado de Workshops com gente do gabarito de Marty Friedman e Warreç Dane, por exemplo; E agora ele se aventura em seu segundo álbum solo, que conta com participações de gente do quilate de Mário Pastore.

A bolacha foi lançada em formato físico e digital e foi gravado na cidade de São José dos Campos, mais precisamente no estúdio Oversonic e teve a produção assinada por Vagner Alba e Marcelo Souza. A arte da capa tem a assinatura do artista Rômulo Dias. “Human VS. Machine” sucede o primeiro disco do guitarrista, “Circle of Fire”. Vamos dar play e viajar pelas dez faixas que contemplam o trabalho.

“Duel of Serpents” é um baita Metalzão para ninguém botar defeito. Pesada, melódica e técnica na medida certa. A faixa título, traz um convidado pra lá de especial: o vocalista Mário Pastore e a sensação que temos aqui é de que se trata do Judas Priest brasileiro, não somente pelos talento que o vocalista empresta, mas também pela qualidade musical.

“Take a Chance” volta à a proposta do guitarrista, que é a de entregar um material instrumental e o que podemos ver aqui é um show de virtuosismo, como belíssimos solos e uma pegada mais Prog/ Power. Secret Code foi a faixa que mais me chamou atenção neste play, por ser muito pesada e bastante atmosférica.

“Stronger” tem belos acordes de violão em sua intro e aqui também temos um vocal acompanhando: novamente temos Mário Pastore abrilhantando a música, que se trata de uma balada repleta de melodias em suas estrofes e fica pesada ao chegar no refrão. “High Tension” é altamente técnica e aqui temos influência até mesmo de Jazz, em meio as belas linhas de baixo e também das guitarras, muito agradáveis de se ouvir.

“Artificial Intelligence” é sem dúvida a mais bela faixa do play: trata-se de uma canção carregada de feeling em um clima de paz e tranquilidade, onde Marcelo conseguiu a mistura perfeita entre harmonia e melodia. “Dangeours Game” traz mais melodia e à medida que a música se desenvolve, ela cresce e ganha peso, tudo aqui é bem dosado.

“74 White Marverick” é o que podemos chamar de Classic Rock, ou pelo menos é completamente influenciada pelo estilo. Uma música contagiante. Conta com a participação de Luis Carlini, que toca uma Lap Steel Guitar (ou guitarra havaiana). E Tomorrow, a faixa derradeira é um belo e curto dedilhado de violão, que encerra muito bem o play.

O tempo de audição é bem satisfatório, cerca de 40 minutos e a sensação é de estar diante de um trabalho antes de mais nada, honesto, que mostra uma capacidade incrível de criatividade e é uma bela surpresa neste 2021 de incertezas. Há que se destacar também a produção impecável mostra que não precisa ser um gigante do Heavy Metal para se fazer um trabalho honesto e bem feito Uma bela opção para quem curte um som instrumental sem ser pedante e sem aquele tédio que alguns nos submetem com músicas intermináveis na tentativa de mostrar o quão virtuosos são. Aqui é justamente o contrário, o cara é bom e não precisa de firulas para passar o seu recado.

Faixas:

01 – Duel of Serpents

02 – Human VS. Machine

03 – Take a Chance

04 – Secret Code

05 – Stronger

06 – High Tension

07 – Artificial Intelligence

08 – Dangeours Game

09 – 74 White Maverick

10 – Tomorrow

Formação:

Marcelo Souza – guitarra/ violão
Lucas Barbosa – baixo
Argos Danckas – bateria/ teclado

Participações especiais:

Mário Pastore – vocal (“Human VS. Machine” e “Stronger”)
Luis Carlini – Lap Steel Guitar (“74 White Maverick”)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.