Resenhas

Perpetual Chaos

Nervosa

10

A potência do thrash-death metal da banda brasileira Nervosa ataca com força total e inquestionável, lançando seu quarto álbum, que chegará dia 22 de janeiro pela Napalm Records, e no Brasil será distribuído pela Dynamo Records. 'Perpetual Chaos' carrega todo o inferno de um ano que suportamos em 2020 e até o desgaste que a banda sofreu em março quando anunciou a saída de Fernanda Lira e de Luana Dametto.

Quem já conhece a banda não ficará desapontado, pois o álbum oferece um golpe massivo de thrash combinado com notáveis ​​ataques de death metal. Mas a força maior está na curiosidade em ouvir a nova formação, que agora conta com a guitarrista e fundadora Prika Amaral e as novas garotas em ascensão Diva Satanica nos vocais, Mia Wallace no baixo e Eleni Nota na bateria.

Após a saída das antigas integrantes, Prika não demorou para recrutar garotas talentosas. Apesar da pandemia ter atrasado muito o lado de todos num primeiro momento, o quarteto se reuniu pela primeira vez no estúdio de Martin Furia para gravar um dos discos mais esperados do ano: “Perpetual Chaos”.

A cada foto ou notícia divulgada, a ansiedade dos fãs aumentava e a curiosidade de todos era saber como essa cozinha iria soar, juntar mulheres de países diferentes – algumas desconhecidas por muitos. Mas as apostas eram altas e Nervosa não decepcionou. Prika encontrou novas irmãs que ajudaram a entregar o álbum mais pulsante do grupo até hoje, com novo sangue e novas energias.

Ao longo de 13 faixas é possível sentir o talento das meninas, Prika, como já conhecemos, tocando aquilo que gosta através de riffs cortantes, corridos e sem rodeios. A jovem Eleni Nota prova a fúria com sua bateria extremamente rápida, demonstrando ser uma das bateristas mais consistentes e dinâmicas da atualidade com polirritmos, blast-beats e fills espectaculares. Mia Wallace, já conhecida pelos trabalhos com Abbath, prova que o baixo não é um instrumento a ficar escondido, e dá corpo aos temas, acompanhando Prika e a bateria de Eleni Nota. E o vocal fantástico da Diva Satânica, que destila variedades de gutural amargo.

Liricamente, a banda segue a linha já conhecida, não hesitando em abordar questões que impactam o próprio cerne da sociedade como a conhecemos. Críticas políticas e amplificação das vozes das minorias para protestar contra o capitalismo e sucumbir às reflexões mal informadas das elites sociais, como sempre, Nervosa não mede as palavras. A faixa lançada como primeiro single, “Guided By Evil”, ou a “People Of The Abyss” mostra muito bem todas essas caraterísticas da nova Nervosa, e temos uma surpresa no disco, na faixa “Genocidal Command”  temos a habilidade vocal de Diva Satanica é combinada com o alcance excepcional de Schmier, do Destruction.

O disco estará disponível em todos as plataformas daqui dois dias, aconselhamos a ouvir faixa por faixa com muita atenção e garantimos que este é o melhor álbum da carreira da banda, onde elementos concisos do thrash/death metal dão ao grupo  um toque contemporâneo ao mesmo tempo que exala o som old school. 

Nervosa ataca com o poder feminino impiedoso e deixa o mundo em “Caos perpétuo”, calando a boca de muitos headbangers e conquistando cada vez mais espaço no mundo do metal. O orgulho aqui está em ser uma banda inicialmente brasileira formada só por grandes mulheres, que provam cada vez mais que o nosso lugar é onde queremos estar, fazendo o que realmente gostamos.

Faixas:

01.Venomous
02. Guided By Evil
03. People Of The Abyss
04. Perpetual Chaos
05. Until The Very End
06. Genocidal Command
07. Kings Of Domination
08. Time To Fight
09. Godless Prisoner
10. Blood Eagle
11. Rebel Soul
12. Pursued By Judgement
13. Under Ruins

Formação:

Diva Satanica (Vocal)
Prika Amaral (Guitarra)
Mia Wallace (Baixo)
Eleni Nota (Bateria)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.