Resenhas

Road Back to Ruin

Pristine

8.5

Road Back to Ruin é o quinto álbum da banda Pristine. Desconhecida de boa parte dos brasileiros, a banda se destaca por apresentar uma sonoridade bem setentista sem soar genérica como tantas que tentam o mesmo caminho. O mais inusitado é a origem do quarteto: a Noruega, país famoso por ser celeiro das bandas de Black Metal,

Lançado em abril de 2019 pela Nuclear Blast na Europa e aqui no Brasil pela Shinigami, a bolacha foi gravada no Paradiso Studio, em Oslo, com a produção assinada por Øyvind Gunder, a banda, que está na ativa desde 2006, mostra que na Noruega não existem apenas aquelas trevosas bandas de Black Metal com seus discursos já ultrapassados sobre paganismo, satanismo e afins… O quarteto mostra que o país também é capaz de produzir o bom é velho Rock and Roll. Detalhe é que as músicas foram gravadas ao vivo, como se a banda estivesse no palco. Vamos então dissertar sobre as faixas presentes aqui.

Sinnerman” abre o play e para surpresa deste redator que vos escreve, temos um baita Rockão, com influências dos anos 70 e 80, a inclusão de um teclado no meio que lembra muito o que era feito por Deep Purple. Além de um refrão grudento que fica na mente do ouvinte horas depois da audição. Belo início. A faixa título é bem densa, com certo peso e aposta no Southern Rock e no meio ela ganha contornos mais pesados, soando como se o Black Sabbath adotasse uma vocalista. Que sonzaço. “Bluebird” é mais voltada para o Blues, mas sem deixar o peso, bem dosado, de lado.

Landslide” é bem crua e soa como uma versão (bem) melhorada dos Rolling Stones. É uma energia e um clima que contagiam quem está ouvindo o play. E tudo bem tocado, tudo certinho. “Aurora Skies” é uma baladinha onde a poderosa vocalista Heidi Solheim dá o seu espetáculo, na sua melhor performance neste play, disparada. Não que nas outras faixas ela vá mal, pelo contrário, mas aqui, praticamente sozinha, podemos perceber seu talento.

Em “Pioneer” temos a banda apostando no Rock Alternativo, lembrando um pouco o que o Pearl Jam fez no álbum “Yield”. Um sim cru e direto, bem Rock and Roll. Não precisa de muito para ser agradável. “Blind Spot” aposta no psicodelismo, um pouco chato nas estrofes, mas Heidi Solheim trata de botar emoção no refrão e as coisas melhoram. Talvez seja o ponto fora da curva deste álbum que até o momento é excepcional.

A pegada Stoner toma conta com a chegada de “The Solber”, com destaque para o belo timbre de guitarra e no meio, a banda vem nos lembrar que bebeu na fonte do Deep Purple. “Cause and Effect”, do alto dos seus seis minutos, é bem bluesy e traz consigo bastante melancolia e novamente a excelente Heidi Solheim brilha, dividindo com o belo solo, o status de melhor performance nesta faixa. Aqui a banda é acompanhada pela orquestra de cordas The Arctic Philarmonic.

Your Song” é a última faixa da versão original e trata-se de uma faixa acústica, calma e que nos dá uma sensação de paz. Ainda não é o final do play, pois a versão tupiniquim nos brinda com duas faixas bônus: a excelente “Dead End”, inspirada nas bandas setentistas e, de certo modo, até bem pesada, o que é ótimo. Outra faixa bônus, é uma versão ao vivo para “Ghost Case”, do álbum anterior, “Ninja” (2017).

Em pouco mais de 55 minutos temos uma surpresa mais que agradável, uma banda que sabe bem o que está fazendo e que aposta na sua talentosíssima vocalista. Me despertou o interesse em buscar conhecer o material anterior e espero que este texto possa também vir a despertar o mesmo interesse do leitor. Em “Road Back to Ruin” a banda enveredou por vários caminhos e várias influências, fazendo com que seu som não soasse repetitivo, pelo contrário, soa bem agradável. Indicado para quem gosta do bom e velho Rock and Roll. Aquele raiz, lá dos primórdios. Eles passaram de ano e com muito louvor. Indicado também para quem não é tão familiarizado assim com o Rock.

Faixas:

01 – Sinnerman

02 – Road Back To Ruin

03 – Bluebird

04 – Landslide

05 – Aurora Skies

06 – Pioneer

07 – Blind Spot

08 – The Sober

09 – Cause And Effect

10 – Your Song

Bônus Tracks:

11 – Dead End

12 – Ghost Chase (live)

Formação:

Heidi Solheim – vocal

Espen Elverum Jacobsen – guitarra

Gustav Eidsvik – baixo

Ottar Tøllefsen – bateria

Participação especial:

The Arctic Philarmonic – cordas (faixa 9)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.