Entrevistas

Anton Kabanen (Beast In Black): “Não é algo que você assiste uma vez e esquece, mas ser algo que resiste com o passar do tempo. Acho que é isso que esperamos alcançar em nossa carreira””

Jarmo Katila e Toni Kilpinen

Com uma das premissas mais originais e inovadoras da música atual, ‘Dark Connection’ é o terceiro álbum da banda finlandesa Beast In Black, e une ao heavy metal elementos do cyberpunk, e será lançado no dia 29 de outubro pela Nuclear Blast Records.

O primeiro single lançado foi “Moonlight Rendezvous”, cujo vídeo clipe contou com uma super produção e foi extremamente bem aceito pelos fãs de sci-fi, vídeo-games e temas futurísticos.

O guitarrista e fundador da banda Anton Kabanen nos contou detalhes sobre o álbum, inspirações e planos da banda, confiram aí:

Vamos falar da produção de ‘Dark Connection’! A pandemia afetou a produção do álbum? Como que rolou?

Bem, na verdade, sem a pandemia o álbum não estaria pronto agora, tivemos tempo suficiente graças à pandemia para deixar tudo pronto, e o processo de seleção de músicas para o álbum estava acontecendo no final de 2019 e início de 2020. A escrita das letras aconteceu no primeiro semestre de 2020, e depois no verão do ano passado, fomos para o estúdio e começamos a gravar. Demorou cerca de um ano para conseguirmos a versão masterizada e entregá-la à gravadora. Foi uma jornada e tanto, mas ao mesmo tempo em que estávamos trabalhando no primeiro videoclipe, demorou meio ano. Estou falando sobre “Moonlight Rendezvous”, o primeiro single. Nós realmente gostamos de tentar fazer as coisas um pouco maiores desta vez, e de forma diferente, e espero que valha a pena, pelo menos até agora parece que as pessoas gostaram, mas saberemos melhor quando o álbum for lançado em menos de um mês, como o nosso público realmente reage a ele.

E do que falam as letras? Elas estão seguindo um conceito?

Acho que o foco principal é lidar com nossas relações entre humanos e robôs humanóides, e essa também é a nossa capa de álbum. Onde está essa personagem feminina chamada Cíntia, ela está chamando a besta, mas ela não parece uma personalidade tão calorosa, mas há algo de perigoso nela, porque ela não é um ser humano. E isso representa o conteúdo da letra, essa imagem está representando isso, e Moonlight Rendezvous…o vídeo da música em si na verdade está representando principalmente isso, o fim do mundo, no futuro onde robôs humanóides são tecnicamente tão sofisticados que não os separamos dos humanos.  Alguns deles têm todas as características humanas e capacidade de mostrar empatia, emoções, e quando você tem esse tipo de criação feita por um humano, ao lado de um humano, vemos que eles ainda não têm o mesmo tratamento ou direito que um ser humano, e ao mesmo tempo quando os próprios humanos são mais frios com as criações que fizeram. E como você traça a linha entre o que é certo ou errado? E a ética moral? Esse é um tópico fascinante para mim e é por isso que escrevi as letras inspiradas nisso. “Moonlight Rendezvous” é a música principal que trata desse assunto no álbum.

E de onde surgiu a ideia de unir elementos cyberpunk com heavy metal melódico? O que te inspirou a fazer isso?

Pessoalmente para mim é apenas um retorno às minhas raízes, eu sempre estive no cyberpunk, e com minha banda anterior, Battle Beast, os dois primeiros álbuns eram fortemente influenciados pelo cyberpunk, não mais o terceiro, mas os primeiros álbuns foram. Gosto muito de lidar com isso, com coisas cyberpunk. E depois disso nunca mais tentei fazer nenhuma música cyberpunk, até agora, com Dark Connection para Beast In Black. É algo com que me sinto realmente confortável, sou fascinado por ficção científica, filmes e livros cyberpunk, o visual, sabe … há tanta arte no cyberpunk. Quando você olha para os visuais, você pode se imaginar em algum tipo de história, há tantas coisas que ativam sua imaginação, e eu me inspiro nisso.

Eu li que você teve muita atenção com os elementos audio-visuais desse álbum, e hoje em dia não vemos mais bandas fazendo isso, é meio raro. Então me fale mais sobre isso…

Bem, faz parte do storytelling, você quer conectar tudo o que você faz como banda, conectar todas as peças do quebra-cabeça com firmeza, e os visuais são uma parte disso, eles precisam ser tratados com a mesma precisão e cuidado do que as outras coisas.

É igualmente importante, né..

Sim, exatamente. Para mim não faz diferença em que tipo de arte seja, se são poemas, letras, música ou sentimento, se é uma pintura sua, tudo deve ser igualmente importante. E tornou-se possível para nós investirmos, por exemplo, em vídeos musicais, e é por isso que queríamos fazer visualmente e realmente diferente, ter um vídeo bacana e maior que o anterior, mas sem perder o mais importante que é o conteúdo emocional que vem da própria história, então o objetivo era fazer um vídeo acompanhando a letra, correlacionado com a letra ao mesmo tempo. Portanto, não é algumas imagens aleatórias que não têm conexão.

Quais são as diferenças entre o ‘Dark Connection’ e seus últimos álbuns?

Essencialmente, a diferença não é grande, porque você pode reconhecer facilmente o estilo Beast In Black, mas acho que Dark Connection gastou pouco mais todo o estilo de marca registrada. Quer dizer, tem esse peso que está um pouco mais presente neste álbum. E ao mesmo tempo os elementos do teclado também estão mais presentes, então não é nada que já não tivéssemos nos dois álbuns anteriores, mas há mais dos dois. É mais amplo quando se trata de conteúdo.

E para você, qual é a essência da Beast In Black? Que legado vocês querem deixar no mundo?

Arte, vídeos musicais que são agradáveis ​​de uma forma duradoura, não é algo que você assiste uma vez e esquece, mas ser algo que resiste com o passar do tempo. Acho que é isso que esperamos alcançar em nossa carreira.

Quais são seus planos futuros para a banda? Vocês estão pensando em fazer turnê?

Sim, estamos constantemente planejando muitas coisas, estamos planejando fazer uma turnê por alguns anos, eu espero isso pelo menos, talvez três ou quatro anos de turnê, depende. Mas pelo menos nós realmente queremos espremer tudo do Dark Connection, ir para todos os continentes, em novos territórios que já estivemos e nos que não estivemos, e mostrar mais ás pessoas sobre o Beast In Black, compartilhar nossas músicas em shows ao vivo, para as pessoas verem o que somos no palco. Uma coisa é ouvir a banda nos vídeos e outra coisa é vê-los nos shows ao vivo, pode ser uma coisa totalmente diferente. Não importa o tipo de assunto que as músicas tenham, quando estamos no palco nós realmente gostamos de nos divertir como uma banda, por assim dizer. Estamos sorrindo muito e curtindo muito, queremos levar isso para todos os públicos onde estivemos e onde não estivemos. E isso requer muito tempo de planejamento.

Sim, dá muito trabalho, mas vai ser bom. E por favor, venham para o Brasil, nós realmente gostamos de Beast In Black aqui.

Claro, nós realmente adoraríamos, e esperançosamente o mais rápido possível, assim que a pandemia estiver sob controle de alguma forma nós definitivamente sairemos em turnê pela América do Sul, assim que possível.

Estamos terminando, obrigado pelo seu tempo Anton. Quer deixar um recado para os fãs do Brasil?

Claro, obrigado a todos pela paciência de esperar por este álbum. Sei que já faz bastante tempo, mas espero que a espera tenha valido a pena, que todos gostem do álbum. Cuidem de vocês, da sua família e dos seus amigos e vejo vocês lá quando eu finalmente chegar ao seu país.