Entrevistas

Mayara Puertas do Torture Squad: “Não é um caminho fácil e pode ser que você tenha que deixar muita coisa para trás para seguir carreira”

Carlos Pupo/Headbangers News

May Undead está há 4 anos no front da banda brasileira de Death Metal, Torture Squad. Cheia de conquistas e planos para o futuro, May concedeu uma entrevista ao site Headbangers News para contar como foi a experiência de tocar pela primeira vez no Rock in Rio, suas maiores inspirações e os planos da banda para o próximo ano.

Prestes a lançar a primeira coletânea dos 30 anos de carreira, o Torture Squad inicia neste final de semana a primeira turnê pela América Central e já pensam em excursionar pela Europa e América do Norte.

Estar todo esse tempo com o Torture Squad te proporcionou grandes conquistas. A Mayara de alguns anos atrás imaginaria tudo isso? Como está sendo trabalhar com a banda?

Este ano completo 4 anos no front do Torture Squad, trabalhando juntos de segunda a segunda em prol do death metal! Divido isso com a rotina de aulas de canto direcionadas a metal extremo que ministro em São Paulo. Estou com eles desde 2016, excursionamos pela Europa, América do Sul e agora em novembro embarcamos para uma turnê na América Central. Os desafios sempre aumentam, somos uma banda muito dedicada e comprometida , eu e meus companheiros Amilcar, Castor e Rene somos maniacos pelo metal, apaixonados por nossa música.

Vocês tocaram no Rock in Rio 2019, no palco Sunset e ainda dividiram o palco com Claustrofobia e o vocalista do Testament, Chuck Billy. Como foi essa experiência?

No “grande dia” eu estava muito tranquila, havíamos feito um ensaio incrível no dia anterior com o Claustrofobia e o Chuck Billy, então deixei a alegria de estar ali falar mais alto do que qualquer coisa naquela hora. Um momento marcante para mim foi o final da “Electric Crown” em que sem ter combinado nada eu e o Chuck apontamos um para o outro e nos abraçamos, eu estava muito feliz de estar dividindo este momento com minha banda, nossos amigos do Claustrofobia e também minha família e pessoas queridas que estavam presentes.

A banda Torture Squad toca durante o lançamento do split álbum "Living for Torture", juntamente com o grupo Living Metal, no Espaço Som, na Rua Teodoro Sampaio, em São Paulo, na noite de quarta-feira, 18 de setembro de 2019.

Carlos Pupo/Headbangers News


A banda Torture Squad toca durante o lançamento do split álbum "Living for Torture", juntamente com o grupo Living Metal, no Espaço Som, na Rua Teodoro Sampaio, em São Paulo, na noite de quarta-feira, 18 de setembro de 2019.

A escolha para convidar o Chuck Billy foi de vocês? Qual foi a principal motivação para vocês e o Claustrofobia o convidarem?

 É unânime no Torture Squad que o Chuck Billy é uma das nossas vozes favoritas no metal, sempre esteve no nosso radar como uma voz genial para participar de alguma música nossa por exemplo, mas o grande responsável por trazê-lo ao RIR foi o Andreas Kisser, ele ficou encarregado de sugerir as atrações para o palco Sunset a pedido do idealizador do palco Zé Ricardo . A missão dele era unir duas bandas emblemáticas do metal nacional em um show simultâneo com um convidado de peso, o Torture Squad e o Claustrofobia sempre foram bandas irmãs então é claro que topamos entrar nesse desafio . Alguns meses antes do show o Claustrofobia passou uma temporada nos EUA onde estreitaram laços com o Chuck preparando ele para o que seria este Rock in Rio, e o resultado foi o que vocês puderam acompanhar.

Você se sentiu muito ansiosa às vésperas da apresentação? O show superou suas expectativas?

Nós nos preparamos durante todo o ano para este show, então talvez por isso eu estava muito tranquila na hora…Foram meses de preparação pois se tratava de um show complexo, duas bandas alternando músicos e equipamentos no palco e em determinado momento…dois bateras ao mesmo tempo! Ensaiamos o repertório com as músicas que tocamos com o Chuck, e eu não sabia ao certo como seria este dueto pois teríamos apenas o dia anterior ao Rock in Rio para ensaiar com ele, eu e meus bandmates concordamos em praticar as músicas do Testament por completo, assim independente de como fluísse com o Chuck, eu estaria pronta para qualquer interpretação da música, inclusive para vocais limpos e guturais.

Quais são suas maiores inspirações na música? Tem alguma personalidade feminina na qual você se identifica?

No metal nacional posso citar André Matos (Viper/Angra/Shaman) e Alex Camargo (Krisiun), no exterior Mattew Barlow (Ex- Iced earth) Bruce Dickinson, Dio, George Fisher (Cannibal Corpse) , Peter Tagraten (Hypocrisy) , David Vincent ( Ex- Morbid Angel) e Bobby Blitz (Overkill) são caras que me influenciaram demais. A personalidade feminina que mais me identifico atualmente é a Floor Jansen (After Forever/Nightwish) pela versatilidade vocal dela…acompanho o trabalho dela nas redes sociais e esta mulher é capaz de cantar de tudo, inclusive manda muito bem nos guturais!

Você é uma figura feminina que inspira outras mulheres no meio underground, o que você pode dizer para as mulheres que desejam ter mais espaço no meio do metal nacional e underground

Não é um caminho fácil e pode ser que você tenha que deixar muita coisa para trás para seguir carreira, e assim transformar seus sonhos em metas. Esteja sempre antenada em shows e festivais que acontecem durante o ano, envie seu material para revistas e sites especializados e compareça aos shows da sua região. Seja parceira de outras bandas que tenham os mesmos objetivos que o da sua e trabalhem com união. Nutra sua força interior para não desistir diante dos obstáculos e das pessoas que querem te colocar para baixo, cerque-se de pessoas que respeitam seu trabalho e acreditam no seu potencial, mostre que seu sonho é maior que qualquer dificuldade e persista !

Carlos Pupo/Headbangers News


Quais os próximos passos com o Torture Squad? Há previsão de um novo álbum ou algum projeto em especial?

Uma música inédita pode ser lançada em formato de clipe ainda este ano. Temos um álbum novo praticamente pronto, mas ainda estamos trabalhando as divulgações do “Far beyond Existence” então não temos previsão de lançamento para um novo Full Album. Em novembro embarcamos para nossa primeira turnê pela América Central e como retornamos no início de dezembro, está em nossos planos desbravar a América do Norte e retornar à Europa em 2020.

Obrigado pela entrevista! Você gostaria de acrescentar algo ou deixar um recado para o site Headbangers News?

Agradeço o espaço para compartilhar minhas experiências na estrada do metal. Valeu Headbangers News!

Torture Squad embarcará na primeira turnê pela América Central

Torture Squad embarcará na primeira turnê pela América Central