Entrevistas

Tom Angelripper (Sodom): “Não gosto dos serviços de streaming. Os artistas não ganham quase nada e os fãs deveriam saber disso”

Tom Angelripper

Mumpi Kuenster

Tom Angelripper

O Sodom acabou de lançar seu novo EP ‘Bombenhagel’, que saiu em CD, Vinil e nas plataformas digitais.

O Headbangers News bateu um papo exclusivo com o líder do agora quarteto alemão, Tom Angelripper, no qual abordamos temas como as atividades durante a quarentena, o retorno aos palcos, a volta da parceria com o guitarrista Frank Blackfire, os problemas do aquecimento global, além da digitalização da música.

Gênesis XIX foi bem recebido pela crítica e pelo público. Na verdade, é um belo álbum. Ficar em quarentena sem a pressa das turnês ajudou no processo de composição?

Oh sim. As críticas têm sido consistentemente positivas e ainda estamos muito orgulhosos do novo álbum com a nova formação. Você está certo, nesse caso, Corona ajudou muito. Mas, apesar do bloqueio, frequentemente nos encontrávamos para os ensaios e podíamos usar o tempo livre de maneira muito intensa. Pudemos então trabalhar muito concentrados no álbum

Estar longe do palco foi certamente um golpe duro. Como é estar longe do palco e do calor humano dos fãs por tanto tempo?

No fim de semana passado, tocamos nosso primeiro show novamente. Foi quando percebemos o quanto sentimos falta do palco e da proximidade com nossos fãs. Nenhum programa de streaming pode nos dar essa sensação. Esperamos muito que continue e que todos os concertos planejados aconteçam. Mas você nunca sabe o que vem a seguir…

A formação atual de Sodoma é relativamente nova. Só o baterista Toni ainda não teve a oportunidade de estrear, pois a banda tocaria no festival italiano Camunia Sonora, que acabou sendo adiado para 2022. Como Toni tem lidado com essa incerteza?

Toni estava muito insatisfeita com a situação. Ele é um baterista apaixonado ao vivo e adora isso mais do que tudo. Ele fez seu primeiro show conosco na semana passada perfeitamente. Percebemos então que o palco é sua casa.

O guitarrista Frank Blackfire ficou afastado da banda por 19 anos. Como foi seu retorno à banda?

Frank ainda é um cara legal e estou feliz por tê-lo de volta aos negócios. Eu sabia que ele tinha seu próprio projeto solo e também tocava com o Assassin. Ele me disse que eles não estão tão ocupados no momento e que ele gastará tempo suficiente para se juntar ao Sodoma para as próximas sessões de ensaio e shows ao vivo. Isso foi incrível e parece uma grande chance para ele retornar à cena do metal internacional. Anos atrás, tive a ideia de recrutar um segundo machado quando Bernemann ainda estava na banda. Mas ele não parece muito interessado e eu pensei que ele nunca aceitaria um segundo guitarrista ao seu lado. Mais tarde, começamos a ensaiar sessões com Frank pela primeira vez depois que ele deixou a banda. E agora músicas como Nuclear winter, Sodomy & Lust e Christ passion soavam tão incríveis e autênticas. Fiquei muito surpreso ao ver que o som da guitarra é exatamente o mesmo do Persecution Mania ou do álbum Agent Orange. Agora, podemos reproduzir as músicas de forma original durante os sets ao vivo. Yorck também é um grande fã do Sodom, então ele teve muitas ideias para novas músicas e setlists que virão. Com dois guitarristas somos capazes de tocar músicas que não funcionam com apenas um. Mesmo meu baixo não pode substituir uma segunda guitarra. O som ao vivo está ficando mais brutal e dinâmico.

“Bombenhagel”, a música, ficou ainda melhor que a versão original. O que o motivou a regravar essa faixa com uma nova formação?

Queríamos apenas martelar nosso velho clássico com a nova formação. Queremos mostrar que não mudamos e que permanecemos fiéis ao nosso estilo. Aqui e ali mudamos um pouco e arranjamos o hino em três partes diferentes. Isso foi muito divertido. Graças a Toni, finalmente temos uma versão que foi tocada no ponto.

Não tive acesso às letras das novas músicas, mas li no Press Release que a faixa “Coup de Grace” trata de assuntos como mudanças climáticas e questões ambientais no planeta. É muito legal ver esse tipo de preocupação. Você acha que podemos parar o aquecimento global a médio prazo?

O mundo deu um golpe de misericórdia. Sentimos isso todos os dias. Fazemos de tudo para nos destruir e isso é irreversível. Temos apenas este mundo e o fim da humanidade já está selado. Enquanto houver ganância, ganância e ignorância, nada mudará. “Pestiferous Posse” é sobre o tiroteio perto da O.K. Corral em Tombstone Arizona em 1881. A rivalidade entre republicanos e democratas aumentou naquele dia.

‘Bombenhagel’ é o quarto EP lançado nos últimos 4 anos. Lançar esses bolinhos é uma forma de deixar os fãs menos ansiosos entre um e o outro?

Eu amo EPs e isso diminui o tempo de espera pelo próximo álbum. É importante mencionar que esses discos sempre contêm canções exclusivas e, portanto, são sempre independentes e particularmente colecionáveis.

O novo EP foi lançado tanto em plataformas digitais quanto em CD e Vinil. O público do Metalhead ainda consome muito material físico, embora as gerações mais jovens estejam acostumadas a fazer streaming. Como a banda vê essa transição do material físico para o virtual?

Eu não gosto desses serviços de streaming. Como resultado, os músicos são literalmente explorados. Os artistas quase não ganham nada. Os fãs deveriam saber disso. Os fonogramas físicos nos dão mais controle sobre as unidades vendidas. Todo fã de metal deseja comprar um produto que possa tocar e explorar. O vinil ainda é muito popular na cena do metal e isso é uma coisa boa

Sodom está prestes a completar 40 anos de sólida carreira, conquistando fãs em todo o mundo. Olhando para trás, Tom Angelripper imaginaria que tantos anos depois a banda ainda estaria ativa e com todo esse poder letal?

Sim claro. Enquanto eu for saudável e criativo, continua…

A ascensão de governantes de extrema direita, que trazem consigo ideais ultranacionalistas, carregados de preconceito, xenofobia e homofobia, em um flerte com o neofascismo. Brasil, Turquia, Hungria e Filipinas são alguns dos países que estão passando por essa experiência. Como Sodoma vê esse fenômeno?

O extremismo de direita se desenvolve a partir da insatisfação das pessoas. Obviamente, este é um fenômeno natural. Enquanto os governantes e políticos explorarem seu povo, esses problemas existirão. E enquanto a liberdade religiosa for mais valorizada do que os direitos humanos, teremos que viver com ela. Nós também experimentamos isso aqui na Alemanha.

Sodom forma junto com Kreator, Destruction e Tankard, o que podemos chamar de The Big 4 do Thrash Metal Alemão. Qual é a relação que o Sodom tem com essas bandas contemporâneas?

Isso não é verdade. Chegamos lá primeiro. Mas temos um bom relacionamento um com o outro e nos respeitamos. Estou muito orgulhoso dessas bandas, pois elas ainda estão ativas após todas essas décadas.

Sodom é muitas vezes lembrada pelos brasileiros não só pelos excelentes discos como ‘Agent Orange’, ‘Persecution Mania’, mas também pela turnê onde o então desconhecido Sepultura pousou pela primeira vez em solo europeu, em 1989. O que você, Tom, lembra disso? percorrer ?

O passeio foi fantástico. Mas muitos fãs ficaram desapontados porque Frank não estava mais lá. Também tínhamos um bom relacionamento com o Sepultura. Não houve disputas sérias. Sempre estivemos presentes um para o outro, mesmo que a imprensa sempre dissesse o contrário.

Gostaríamos de agradecer a oportunidade e agora o espaço é para vocês passarem sua mensagem aos fãs brasileiros.

Não podemos esperar para voltar. Temos tantos fãs leais no Brasil. Somos como uma família. Espero vê-lo novamente o mais rápido possível. Nós te amamos. Obrigado, TOM