Notícias

Machine Head lança o single digital ‘Civil Unrest’, com as faixas ‘Stop The Bleeding’ e ‘Bulletproof’

A banda americana Machine Head lançou ‘Civil Unrest’, um single digital de duas músicas, com o lado A, ‘Stop The Bleeding’ e o lado B, ‘Bulletproof’, com a primeira faixa apresentando vocais adicionais de Jesse Leach, do Killswitch Engage.
Estes hinos ferozes de protesto foram escritos dias após os assassinatos consecutivos de George Floyd e Ahmaud Arbery. Eles não são para os fracos de coração.
O vídeo de Stop The Bleeding foi dirigido e editado por Mike Sloat, filmado nas ruas de Oakland, Califórnia, com a parte de Jesse filmada em Kingston, Nova York, com David Brodsky.

O vocalista e guitarrista Robb Flynn compartilhou a inspiração por trás do lançamento: “Eu escrevi e cantei a letra na quarta-feira, 27 de maio de 2020, o dia em que os quatro policiais que assassinaram George Floyd (originalmente, naquele momento) não foram acusados de nada. Este dia foi envolvido em protestos e tumultos por toda a América. Eu fui até Oakland, passei por grandes manifestações já acontecendo e, furioso, escrevi tudo o que estava sentindo depois de assistir aquelas filmagens horríveis. Em poucas horas, o que eu queria dizer, o que eu precisava dizer havia sido gravado na música. Decidi cantá-la em uma música chamada ‘Stop The Bleeding’, que gravamos em dezembro. 2018 com Jared [MacEachearn, baixista do Machine Head] e Carlos Cruz [Warbringer] na bateria “.

“Stop The Bleeding” conta com a participação de Jesse Leach, vocalista do Killswitch Engage, em que vemos Flynn e Leach negociando linhas líricas que cospem a raiva e a frustração nos eventos atuais.

Flynn continua: “Eu estava conversando com Jesse há talvez seis meses sobre cantar uma música, pois sempre teve um pouco de vibração do Killswitch para mim. Infelizmente (ou felizmente), nossas agendas não estavam alinhadas, mas com o subsequente bloqueio do coronavírus, tivemos tempo para fazê-lo funcionar. Depois do que aconteceu com George Floyd, enviei a letra que eu escrevi e ele respondeu dizendo que estava “100% a bordo”. Jesse é alguém que considero pioneiro e, de várias maneiras, um dos homens que mudou a cara do metal. A contribuição dele para essa música a tornou extremamente poderosa e é uma honra fazer com que ele participe dela. ”

Jesse Leach espelha este sentimento, afirmando: “Ser convidado para fazer parte dessa música é uma honra. Sim, porque é o Machine Head, mas o mais importante é que esta é uma mensagem que precisa ser ouvida e divulgada. Essas questões relativas a abusos de poder e racismo são atemporais. Eu escrevi sobre isso anteriormente e vou escrever sobre isso novamente. Acho que Robb realmente acertou em cheio, tanto liricamente quanto sonoramente. Minha esperança é que essa música ajude a despertar quem a ouve. Robb tem sido uma voz frequente dos que não têm voz nesses tempos, portanto, unir-se a ele não é impensado. Precisamos da nossa Comunidade Metal para falar sobre questões sociais e ajudar a aumentar a conscientização, especialmente durante esses momentos cruciais. A música é a trilha sonora de nossas vidas, transcende a linguagem e a cultura. Esta é a razão pela qual nós, músicos, precisamos fazer nossa parte para despertar pensamentos e discussões sobre esses tipos de questões. Podemos fazer a diferença através da música e podemos ajudar a parar o sangramento (Stop The Bleeding).”

O Machine Head está doando uma parte significativa de suas receitas de streaming de ‘Stop The Bleeding’ para http://grassrootslaw.org, a organização que representa George Floyd, Breonna Taylor e Ahmaud Arbery.

O lado B, ‘Bulletproof’ é uma música nova, também gravada com Carlos e Jared em dezembro de 2018.
Flynn acrescenta: “As letras de ‘Bulletproof’ foram finalizadas após o assassinato de Ahmaud Arbery por supremacistas brancos, mas com tudo girando fora de controle em nosso mundo. O isolamento e a loucura da pandemia, os manifestantes confinados invadindo prédios do governo com AR-15, bem como as mentiras e conspirações flagrantes que saem da boca de nossos líderes políticos, hora a hora, dia após dia. ”

As músicas precisavam de algo visualmente provocativo, então a banda procurou o colaborador de longa data Strephon Taylor, que ilustrou vários elementos a partir deste momento para fazer uma declaração poderosa sobre a América e o mundo.

Ambas as faixas foram produzidas por Robb Flynn (Machine Head, Roadrunner United, Sworn Enemy, Dress The Dead) e projetadas por Zack Ohren no Sharkbite Studios em Oakland, Califórnia, com a mixagem feita por Colin Richardson, junto com Chris Clancy na Audioworks Productions, no Reino Unido. As faixas foram masterizadas por Ted Jensen no Sterling Sound.