Notícias

Memory Remains: Brujeria – 28 anos de “Matando Güeros”, um clássico cult do Grindcore

Em 6 de julho de 1993, era lançado “Matando Güeros”, o disco de estreia de um grupo formado por narcotraficantes mexicanos, que escondiam suas identidades, pois eram procurados pelo FBI. Não, caro leitor, não se trata de fake news. Era com essa descrição que os membros do Brujeria se apresentavam e essa pérola da música extrema é tema do nosso Memory Remains de hoje.

Depois, descobriu-se que era um projeto formado no ano de 1989 e regado a muito sarcasmo que contava com gente do gabarito de Dino Cazares (Fear Factory), Shane Embury (Napalm Death) e Billy Gould (Faith no More), por exemplo. Eles usavam, respectivamente, os pseudônimos de Asesino, Hongo e Güero sin Fé. Completavam a formação, os vocalistas Juan Brujo, Fantasma e Pinche Peach, além do baterista Greñudo, ou Raymond Herrera. E de fato, os caras foram investigados pelo FBI.

Güero é uma gíria em espanhol, que significa homem branco ou loiro. Daí entendendo as letras, que são cantadas em espanhol e algumas falam sobre imigração ilegal, que, os Güeros mortos seriam os estadunidenses, que sempre impuseram barreiras quase que intransponíveis, para quem tenta adentrar as terras do Tio Sam, sem a obtenção do visto, o trâmite legal para se ter acesso a qualquer país (N. do R: uma coisa que o dublê de presidente do Brasil aboliu para os estadunidenses que queiram acessar as terras tupiniquins, eles podem fazê-lo de maneira deliberada, sem qualquer necessidade de permissão, coisas desse Brasil fascista e patético, não é mesmo?).

Eles já haviam lançado duas demos: “iDemoniaco!”, de 1990 e “iMachetazos!”, de 1992. Com isso, a banda estava preparada para gravar o seu álbum de estreia e assim todos foram para o estúdio, não informado, pois, como vocês sabem, a banda era formada por “narcotraficantes mexicanos” e estes não poderiam informar a sua localização. A própria banda atuou na produção, tendo a ajuda de Jello Biafra como produtor executivo, utilizando o pseudônimo de Jr. Hocicon, ou director diabólico . A capa traz uma foto bizarra: uma cabeça decapitada, que segundo a banda, fora retirada do jornal sensacionalista mexicano chamado “¡Alarma!” . Por conta desta capa, o disco acabou banido em diversos países. Mas os caras não se abalaram e acabaram por adotar a imagem como mascote, batizando-a de “Coco-Loco”. Vamos destrinchar detalhadamente este petardo.

Botando a bolacha para rolar, são 19 músicas em absurdos 33 minutos, o que dá uma média de menos de dois minutos por cada faixa. “Pura na Venta” é uma vinheta que dura 46 segundos. O que nos interessa de fato é a música e ela aparece a partir da faixa dois, “Leyes Narcos”, onde os caras destilam o Grindcore mais sujo já testemunhado.

“Sacrifício” tem bons riffs, mas como em toda a obra, os cuidados com produção e capricho beiram o zero e isso faz parte do negócio. Era a proposta dos caras essa sonoridade suja. “Santa Lúcia” é um esporro generalizado que dura menos que um minuto. A faixa título é o ponto alto do play, disparada a melhor faixa. Com seus riffs arrastados, a sujeira combinou em uma sincronia perfeita. A parte hilária é o vocalista Juan Brujo a cantar “Matando Güeros/ Satanás te cuida”.

Carlos Pupo/Headbangers News

Chega a faixa número seis e o que esperar de uma banda que adota o satanismo, ainda que de forma cômica, como um de seus temas? Sim, a faixa seis tinha que se chamar “Seis Seis Seis” e o Grindcore mais podre volta a apavorar o ouvinte. Outro tema que sempre habita as letras do Brujeria é a imigração ilegal e os caras usam isso como uma crítica inteligente. Assim é a faixa sete, chamada “Cruza La Frontera”, que conta os riscos que muitos correm para atravessar a fronteira mais vigiada do planeta, muitas vezes em busca de uma vida mais justa, ainda que alguns não tenham noção dos riscos, muitas vezes custam vidas humanas.
“Greñudos Locos” começa arrastadona e aos poucos vai aumentando sua velocidade, sem, no entanto ser uma faixa rápida de fato. “Chingo de Mecos” é bem direta e reta, com o maior nível de tosqueira possível.

“Narcos Satanicos” é outra que podemos colocar na primeira prateleira das músicas em destaque. Ela é bem arrastada, chegando a beirar o Doom e o destaque aqui é para a performance do baterista Greñudo, além dos excelentes riffs de guitarra. “Desperado” mantém o mesmo nível da faixa anterior, com uma introdução impecável, que começa arrastada e a música descamba para o Grindcore assim que Brujo entra com os vocais. É outra que pertence ao grupo das minhas favoritas de sempre do Brujeria.

Não perca as contas, caro leitor, já passamos de 19 minutos e mais da metade das faixas do play ficou para trás. “Culeros” é uma intro bem chata e podemos até pular, o que não foi feito aqui, pois a audição é técnica e não somente por hobby. Mas logo entra outro clássico da banda, “Misas Negras”, onde a pancadaria volta a imperar sem dó nem piedade. Essa música foi regravada anos mais tarde por Dino Cazares em seu projeto Asesino, no segundo álbum da banda, chamado “Cristo Satanico”. Claro que lá a produção deixou a música ainda mais matadora, mas aqui ela é boa da maneira em que foi concebida.

Então temos uma coisa rara neste play: três músicas na sequência e cada uma com mais de três minutos de duração: começando por “Chinga Tu Madre”, inteiramente instrumental e tudo que se ouve por aqui são notas de guitarras sujas e bateria insana; a sequência se dá com o medley “Verga Del Brujo/ Estás Chingados”, sendo a primeira parte bem arrastada e com passagens interessantes e a segunda parte é uma espécie de maldição proferida pelo vocalista Juan Brujo. E por fim, “Molestando Niños Muertos”, que apesar do título mais que medonho, é um baita sonzão, igualmente arrastado como a faixa anterior, pesada e em estado bruto.

A parte final é formada por outra trinca, que soma pouco mais de 4 minutos: a violenta “Machetazos (Sacrificio II)”, que foi um dos singles e é outra pertencente ao grupo das clássicas do Brujeria, sendo rápida, violenta e podre. Essa, podem ter certeza, gera moshpits altamente insanos; “Castigo Del Brujo” traz mais uma vez aquele clima Doom, com excelentes riffs pesados e imundos e o baixo com um peso descomunal. E “Cristo de la Roca”, encerra o play com um começo bem arrastado e pesado, aumentando a velocidade no final, exatamente quando você acha que a música vai embalar ainda mais. As quatro últimas faixas são versões remasterizadas da demo “!Machetazos!”.

“Matando Güeros” é considerado como o único disco genuinamente Grindcore lançado pelo Brujeria, uma vez que os discos posteriores têm fortes influências de Groove, fazendo com que este meio que seja deslocado dos demais, o que não faz dele um álbum ruim, pelo contrário. É uma pérola do Metal extremo e mostra como figuras já consagradas do estilo conseguiram fazer acontecer em uma banda completamente nova e escondendo suas reais identidades, quando o comum seria eles usarem de suas caras conhecidas e assim facilitar o trabalho. Nisso, a sacada dos caras foi sensacional.

Hoje em dia o Brujeria perdeu completamente a sua essência, ainda que esteja na ativa, já não é nem 10% do que foi demonstrado tanto no aniversariante do dia quanto no disco que o sucedeu, o igualmente lindo “Raza Odiada”. É por isso que ele merece todos os nossos confetes por completar mais um ano de vida. Em breve ele entra no rol dos trintões. Um álbum que envelhece bem, obrigado.

Matando Güeros – Brujeria
Data de lançamento – 06/07/1993
Gravadora – Roadrunner

Faixas:
01 – Pura de Venta
02 – Leyes Narcos
03 – Sacrificio
04 – Santa Lucia
05 – Matando Güeros
06 – Seis Seis Seis
07 – Cruza la Frontera
08 – Greñudos Locos
09 – Chingo de Mecos
10 – Narcos Satanicos
11 – Desesperado
12 – Culeros
13 – Misas Negras
14 – Chinga Tu Madre
15 – Verga Del Brujo/ Estás Chingados
16 – Molestando Niños Muertos
17 – Machetazos
18 – Castigo del Brujo
19 – Cristo de la Roca

Formação:
Juan Brujo – vocal
Güero sin Fé – baixo
Asesino – guitarra
Hongo – guitarra
Fantasma – vocal
Pinche Peach – vocal
Greñudo – bateria