Notícias

Nergal, do Behemoth, é condenado na Polônia por ‘ofender sentimentos religiosos’

De acordo com o Notes From Poland, o frontman do Behemoth, Adam “Nergal” Darski, foi condenado por um tribunal de Varsóvia por ofender sentimentos religiosos. As acusações surgiram a partir de uma imagem que o músico polonês postou nas redes sociais mostrando um pé pisando em uma foto da Virgem Maria.

O músico terá que pagar uma multa de 15.000 zlotys (R$ 21677,77) e custas judiciais de quase 3.500 zlotys (R$ 5.054,35).

Darski (que renunciou ao seu direito legal ao anonimato), no entanto, contestou a decisão, como tem o direito de fazer. Isso significa que o caso prosseguirá para um julgamento completo. Se ele for considerado culpado, o crime de ofender os sentimentos religiosos acarreta uma potencial sentença de prisão de até dois anos na Polônia.

O caso é o mais recente de uma série de processos contra o líder do Behemoth por insultar os sentimentos dos cristãos na Polônia, um dos países mais religiosos da Europa. As acusações atuais referem-se a uma imagem que Darski postou nas redes sociais mostrando um pé pisando em uma foto da Virgem Maria.

On the set

Publicado por Adam Nergal Darski em Quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Os promotores foram notificados pelo Ordo Iuris, um grupo parlamentar ultraconservador, e uma organização chamada Sociedade Patriótica (Towarzystwo Patriotyczne) que Darski havia “ofendido os sentimentos religiosos de quatro pessoas”, relata a emissora estatal TVP Info. Um desses indivíduos é um político local da coalizão governista conservadora da Polônia.

“No decorrer do processo, as partes prejudicadas foram questionadas e declararam claramente que seus sentimentos religiosos foram ofendidos”, disse a porta-voz da promotoria distrital de Varsóvia, Aleksandra Skrzyniarz.

Os promotores também consultaram um especialista em estudos religiosos, cuja “opinião conclui claramente que pisar com um sapato na imagem da Mãe de Deus é uma ofensa aos sentimentos religiosos”, acrescentou Skrzyniarz.

 

Darski, no entanto, se recusou a se declarar culpado da acusação. Hoje, um juiz do tribunal distrital de Varsóvia-Mokotów emitiu uma forma de decisão que pode ser tomada sem um julgamento completo com base nos arquivos do caso, na qual considerou Darski culpado e o multou.

No entanto, qualquer das partes no caso pode contestar tal julgamento, e o advogado de Darski, Jacek Potulski, anunciou que seu cliente o fez. Isso significa que o caso prosseguirá para um julgamento completo.

A decisão foi, no entanto, celebrada pelo chefe da Ordo Iuris, Jerzy Kwaśniewski. Ele expressou satisfação pelo fato de que “implementamos normas penais para proteger a paz religiosa, rejeitando o ódio anti-religioso”.

Em 2008, Darski enfrentou sua primeira acusação de ofender sentimentos religiosos, depois que o chefe do Comitê Nacional de Defesa contra Seitas o denunciou aos promotores por destruir uma cópia da Bíblia durante um concerto em Gdynia. Os promotores finalmente decidiram desistir do caso, enquanto uma tentativa de instaurar um processo civil contra Darski também falhou.

O músico posteriormente enfrentou várias acusações de ofender sentimentos religiosos, incluindo por colocar fogo em cruzes durante outro show. No entanto, Darski nunca teve um veredicto de culpado emitido contra ele.

No ano passado, outros processos judiciais contra ele começaram em Gdańsk relacionados a um vídeo de 2018 que ele postou uma imagem de si mesmo agitando um vibrador com um crucifixo preso a ele. A notificação dos promotores contra Darski foi feita por um parlamentar pertencente ao partido que governa a Polônia, Dominik Tarczyński.

Darski se declarou inocente, dizendo que o vídeo era uma “piada” que faz parte do “trabalho de um artista” como ele, noticiou a Rádio Gdańsk.

Outro julgamento começou contra Darski e dois de seus associados no ano passado pelo crime de insultar o emblema nacional da Polônia com a criação de um pôster que o combinava com “símbolos satânicos”, como uma cruz invertida, chifres e caveiras. Também aqui ele se declarou inocente.
A Polônia tem o maior número de leis de difamação e insultos da Europa, de acordo com um estudo da OSCE. Além de ofender os sentimentos religiosos, também é ilegal insultar o presidente, a nação ou estado polonês, funcionários públicos e até monumentos.
Três ativistas LGBT estão atualmente sendo julgados na Polônia pelo crime de ofender sentimentos religiosos. Eles adicionaram as cores do arco-íris aos halos da Virgem Maria e Jesus em uma imagem que se tornou um símbolo da luta pelos direitos LGBT na Polônia. A última audiência do caso será amanhã.
Em dezembro, um homem foi considerado culpado de insultar o presidente depois de desfigurar, embriagado, um dos pôsteres da campanha de Andrzej Duda, desenhando um pênis na testa do político. Ele foi condenado a seis meses de serviço comunitário.

Continua depois da publicidade