Resenhas

Old Star

Darkthrone

8.5

Um dos nomes mais antigos e tradicionais do black metal norueguês apresenta um trabalho que passeia por vários estilos do metal. Lançado em maio deste ano, “Old Star” traz resultados brilhantes.

Sempre liderado pela dupla Fenriz e Nocturno Culto, Darkthrone explorou uma variedade de estilos durante os 30 anos de carreira. O primeiro trabalho foi voltado para o Death Metal “Soulside Journey” (1991), após esse disco que veio a fase black metal – que foi onde comecei a admirar a banda -, com os influentes álbuns “Transilvanian Hunger” (1994) e “A Blaze in The Northern Sky (1992). Após os anos 2000 a banda começou a fazer um som mais voltado para o Heavy Metal tradicional.

O que chama atenção neste novo trabalho é a mistura de estilo e como a dupla conseguiu criar algo realmente bom com isso, mantendo seu próprio som característico. O 18º álbum de estúdio da banda  passeia entre death metal, black metal, thrash metal e mais uma infinidade de rótulos que não são suficientes para categorizar essa arte.

Com seis músicas em menos de 40 minutos, a banda apresenta uma riqueza de riffs com qualidade por toda parte, em especial podemos observar um estilo mais anos 80, e era essa a intenção. “Como muitos focaram o som dos anos 70 nos últimos 20 anos, o mix do nosso novo álbum acabou sendo mais dos anos 80 do que nunca”, afirma Fenriz.

Ao longo de três décadas de carreira, nenhum dos dois tem mais nada para provar. Este álbum não foi enviado aos jornalistas e imprensa antes do lançamento, pois não precisam se preocupar com críticas, nem vagas em festivais – eles não tocam ao vivo. Ambos têm empregos diários (e vivem em um país com alto padrão de vida), portanto as vendas de álbuns não são uma preocupação premente. Darkthrone toca por diversão e pela paixão ao metal, assim, continuam a criar música atraente, satisfazendo muitas gerações de fãs.

 

Faixas:
1-I Muffle Your Inner Choir
2-The Hardship of The Scots
3-Old Star
4-Alp Man
5-Duke of Goat
6-The Key is Inside The Wall

Músicos:
Gylve “Fenriz” Nagell  (bateria, composição, letras)
Ted “Nocturno Culto” Skjellum  (guitarras e vocais, composição)