Resenhas

We are the Bastards

Phil Campbell and the Bastard Sons

8.9

Minha saudade do Motörhead foi um pouco atenuada quando recebi o álbum "We are the Bastards" enviado pela Shinigami Records para esta resenha. A morte de Lemmy Kilmister me deixou órfão da minha banda de rock and roll favorita e achava que nada iria preencher este vazio. Mas a volta de Phil Campbell aos estúdios com seus filhos, acompanhado do vocalista Neil Starr me trouxe de volta aquele espírito roqueiro despertado por riffs muito bons.

O talento de Phil Campbell é inegável, assim como sua trajetória e seus serviços prestados com sua antiga banda. “We’re the Bastards” é uma maravilhosa faixa que abre magistralmente este trabalho, se tivéssemos shows rolando e uma turnê fosse viável, com certeza esta faixa seria um dos pontos altos da apresentação. O refrão é pegajoso e realmente fica na cabeça. “Son of a Gun” segue a mesma linha, tenho certeza que vai agradar os milhares de motörfans pelo mundo afora.
A coisa dá uma cadenciada com a chegada de “Promises are Poison” e “Born to Roam”, inclusive esta quarta música do álbum tem uma pegada ‘country and roll’ que me lembra o espírito de Johnny Cash (só que com mais peso), cantor e compositor que sempre prestarei reverências pela genialidade.
“Animals” é o tipo de faixa que caberia num setlist do Motörhead, assim como “Bite my Tongue” que é indolente: “cala a boca, porque toda vez que abre, só cai merda”. Me fez lembrar de um certo político do nosso cenário nacional.
“Desert Song” é um bluesão que me empolgou, que é seguida por “Keep your Jacket On” mais rock and roll sem invencionices ou artimanhas.
“Lie to Me”, “Riding Straight to Hell” e “Hate Machine” seguem sem comprometer, com a guitarra sendo ponto alto da sonoridade e acelerando maravilhosamente na estrada do rock como sempre conhecemos. Mas cabe destacar aqui “Waves”, uma balada maravilhosa que tem uma pegada que apesar de mais lenta, nos faz bater cabeça. Elogios à performance vocal de Mr. Starr.
Longa vida à Phil Campbell and the Bastard Sons!

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Headbangers News e é de responsabilidade de seu autor.