Entrevistas

Choke: “Uma segunda onda do COVID-19 seria terrível e estou preocupado com isso. Espero que todos no Brasil fiquem seguros”

Divulgação/Royal Stage

O Choke é uma banda japonesa de Rap Metal/Visual Kei, com fortes influências de Nu Metal.

A música deles não fica restrita a apenas um gênero. Embora seu som tenha raízes no metalcore e rap, elementos de “thrash” e “metal progressivo”, “deathcore”, “groove metal”, e “rock eletrônico” também são incorporados. “Choke” oferece um dissonante único que mistura heavy music com ritmo de hip hop.

Conversamos com os integrantes da banda: o vocalista REON; o baixista B5 e a guitarrista KVYA NONO, sobre diversos assuntos entre eles as influencias da banda, futuros planos e o atual momento.

Em primeiro lugar, muito obrigado por falar com o Headbangers News, pessoal. É uma honra para todos nós. Por favor, gostaria de saber a origem da banda para que os brasileiros conheçam melhor o CHOKE.

KVYA NONO: Eu vi REON tocando ao vivo na época em que estava formando uma nova banda. Fiquei muito impressionado com seu rap e acreditava firmemente que seria capaz de fazer novas músicas com ele. No começo, eu não tinha intenção de adicionar rap à nova banda; mas depois de assistir REON, o pedaço de “rap” realmente ficou preso na minha mente. Então, eu tive dificuldade em encontrar um baixista. O nome B5 surgiu instantaneamente, mas ele estava prestes a iniciar as atividades com outra banda, então não poderia se juntar a nós naquela época. No entanto, esses planos caíram alguns meses depois.

B5: A guitarrista NONO e o vocalista REON já eram meus amigos. Fomos a shows juntos e costumávamos nos encontrar para beber e conversar sobre música. Nós estávamos ativos em bandas diferentes. E então, minha banda se separou e não havia planos de começar um novo projeto, então comecei a pensar no que deveria fazer a seguir. Sem me preocupar com a opinião alheia, quis me dedicar a fazer a música que eu gosto, não importa se ninguém gosta. Entrei para essa banda com essa convicção. Eu queria fazer música que pudesse ouvir com orgulho e não me sentir envergonhado por isso, mesmo se eu ouvir 20 anos depois.

REON: Já tínhamos um relacionamento de longo prazo. Nós nos conhecíamos desde o tempo em que éramos companheiros de bandas diferentes. Portanto, fomos capazes de formar a banda com base apenas em nossos objetivos musicais e não em busca de uma personalidade compatível. Foi um golpe de sorte.

 

O som de CHOKE é insano, caótico e imprevisível. Onde vocês procuram inspiração para criar melodias tão intensas? E quais são as principais influências de cada membro da banda?

REON: Estou constantemente verificando novos lançamentos de música para obter inspiração e ideias. Claro, não é como se eu me esquecesse dos clássicos também. Hoje em dia é fácil acessar muita música graças às plataformas online de vídeo e música. Então, eu acho que a cultura está tendo um grande papel na criação do estilo de CHOKE.

B5: Esta é uma época em que você pode ouvir facilmente qualquer gênero de música em sua própria casa. Eu me inspiro em tantos lugares que realmente não consigo mencioná-los todos. Pessoalmente, minha maior influência é o Nu-metal e o Rap Metal dos anos 90 ao início dos anos 2000. Eu imediatamente me apaixonei pelo som do baixo pesado. Gosto de todos os tipos de metal e sou influenciado por isso. Ou Death Metal ou Thrash Metal. Eu também gosto muito de NYHC. Bem, parei de ouvir pop japonês desde o dia em que ouvi Metallica pela primeira vez (risos).

KVYA NONO: Originalmente, eu não costumava ouvir metal ou música extrema. No entanto, eu realmente gostei do metal nos últimos 7 anos e agora estou fazendo esse tipo de música. É por isso que sempre sinto que não sei tanto quanto meus colegas de banda ou outros artistas na mesma cena. Por esse motivo, meu desejo de absorver novas músicas é imbatível. Eu me pergunto se a música do CHOKE é resultado disso. Em particular, eu conheço novas músicas ao conversar com os outros membros. É porque eles são verdadeiramente entusiastas da música. Isso me ajuda a ter novas ideias. Ao mesmo tempo, estou aprendendo cada vez mais com as obras-primas clássicas. Esse tipo de gosto musical estará surgindo continuamente. Espero que as pessoas estejam ansiosas pela música desta nova era criada pelo CHOKE.

guitarrista KVYA NONO

Divulgação/Royal Stage

guitarrista KVYA NONO

Como funciona o processo de composição de CHOKE? Cada membro da banda traz suas ideias individualmente ou é um trabalho mais coletivo?

REON: Quando obtemos a música demo produzida por KVYA NONO, começamos a adicionar elementos extras de muitas maneiras diferentes.

KVYA NONO: Como respondi na pergunta anterior, recebo novas ideias em minhas conversas com os membros da banda. Eles provavelmente estão cientes disso, então eles vêm a mim e fazem sugestões sobre o tipo de música que eles querem experimentar. Dessa forma, nossa visão fica alinhada em uma mesma direção.

B5: KVYA NONO é a melhor compositora. Sempre fico impressionado com suas demos quando as recebo.

KVYA NONO: Depois que a demonstração é criada, cada membro recebe suas partes. Eles trabalham em suas partes e os enviam de volta para mim depois. Em seguida, organizo-os e peço para fazer mais ajustes. Esse é basicamente o nosso fluxo de trabalho de composição. É muito demorado, mas gostamos de configurar um processo tão completo.

REON: É muito gratificante quando uma música de qualidade nasce desse processo.

 

O videoclipe de “The Human Anthem” é assustador e maravilhoso. Vocês possuem clipes muito artísticos. Essa correlação entre imagem (de vídeos) e som é um diferencial a favor do CHOKE? Podemos esperar um trabalho cada vez mais criativo para os próximos singles/vídeos?

B5: Hoje em dia, qualquer pessoa pode enviar seus próprios vídeos para o YouTube, então é possível para nós causar um impacto usando vídeo junto com música. Queremos sempre usar este recurso de uma forma eficaz.

REON: Acredito que uma cena pacífica virá à mente de muitas pessoas ao ouvirem as palavras “The Human Anthem”. No entanto, a “humanidade” que quero elogiar nesta canção são os “desejos baixos” feios e desprezíveis, aqueles impulsos irracionais que não podem ser interrompidos. Esse toque perturbador também é retratado no video clipe.

KVYA NONO: Eu estava convencido de que essa banda era capaz de produzir tal produção quando filmamos o vídeo de nosso trabalho anterior “No problem at all”. A impressão bizarra deixada por REON foi tão forte que eu quis destacá-la ainda mais neste novo vídeo e então as palavras “hospital” e “doença mental” saíram. Consequentemente criamos um videoclipe com filmagens que combinam muito bem com o tema da música.

B5: Por sermos uma banda independente, ninguém vai colocar restrições no que fazemos. Temos a liberdade de fazer o que quisermos. Sempre tentamos as ideias que os membros trazem para a mesa.

REON: No futuro, o apelo do vídeo mudará de acordo com a melodia e o tema.

B5: Aguarde nossos próximos trabalhos.

baixista B5

Divulgação/Royal Stage

baixista B5

Temos uma colônia japonesa expressiva aqui em São Paulo. Vocês sabiam? O que vocês sabem sobre nossa música? Vocês conhecem ou admiram algumas de nossas bandas?

B5: Claro, eu sei disso! Tem mais de 100 anos, certo? (N.R.: Sim) Eu gostaria de visitá-los algum dia porque tenho uma forte conexão com esse lugar. De qualquer forma, parece que o número de imigrantes de outros países asiáticos aumentou recentemente e seu nome foi alterado de “Little Tokyo” para “Asian Town”. Ou pelo menos tenho a sensação de que vi aquela notícia em algum lugar …

REON: Eu não sabia, mas fico muito feliz em saber que existe um lugar assim. Gosto de um rapper chamado ACE, ele nasceu no Brasil, mas atualmente está ativo no Japão.

B5: Sou um grande fã do SEPULTURA desde criança! Eles são uma grande influência para mim e os respeito muito. Ultimamente, tenho ouvido muito NERVOSA. Costumo assistir aos vídeos do baixista Raphael Dafras também! É bem conhecido entre os baixistas que o Brasil tem baixistas incríveis.

REON: Também gosto de futebol, por isso fico fascinado e muito impressionado por futebolistas como Neymar, Ronaldinho, Kaká, Roberto Carlos, Rivaldo, Marcelo, Adriano, etc.

KVYA NONO: Sou um grande fã do piloto de F1 Felipe Massa. Fui muitas vezes ao Circuito de Suzuka para vê-lo. Não quero mais assistir a corridas de automóveis depois que ele se aposentou, mas ainda admiro sua magnificência todos os dias. Isso virou uma conversa sobre esportes, não é? Existem muitos artistas maravilhosos do Brasil. Pessoalmente gosto do guitarrista Chico Pinheiro. Ele é excepcional entre outros guitarristas de jazz. Seu talento é verdadeiramente inspirador.

 

“The Human Anthem” chamou a atenção dos fãs de música pesada ao redor do mundo. Como tem sido esse contato com fãs de outros países e a recepção em geral deste novo single?

KVYA NONO: Essa música foi criada na esperança de muitas pessoas conhecerem o CHOKE. Eu não fiz nenhuma outra música com esse propósito até agora, então ficaria muito feliz se mais pessoas a escutassem.

B5: Estamos longe de ser uma banda famosa, então parece um pouco exagerado dizer que estamos recebendo apoio da comunidade do metal ao redor do mundo. No entanto, se isso for realmente verdade, seria uma grande honra. Afinal, sou um fã de metal. Seria ótimo se os metaleiros gostassem da nossa música. Embora, os verdadeiros fãs de metal possam dizer “isso não é metal!” (risos).

REON: O mercado musical japonês é extremamente fechado (como as Ilhas Galápagos) e não acreditamos que deva ser assim. Por isso, sentimos o desejo de entregar nossa música ao mundo. Estou muito feliz que pessoas de fora do Japão reajam à nossa música.

B5: São bons tempos, em que temos ferramentas como os serviços de streaming que nos ajudam a enviar facilmente a nossa música ao mundo. Fico feliz em ver que algumas pessoas do exterior compram nossos CDs em nossa loja online, mesmo que também tenham a opção de streaming. Todos parecem gostar de “The Human Anthem”.

 

vocalista REON

Divulgação/Royal Stage

vocalista REON

Para trabalhos futuros, novos elementos podem ser incluídos na parte instrumental do CHOKE, ou você acredita que o perfil da banda está definido e só deve ser melhorado com o tempo?

REON: “Artistic innovation” foi o legado deixado pelo artista Kitaoji Rosanjin. Simpatizo com sua frase de que a beleza na arte deve estar sempre inovando.

KVYA NONO: Está certo. Todos os membros do CHOKE gostam de mudar, por isso acho que iremos introduzir novos elementos.

B5: Somos amantes da música e encontramos novas inspirações todos os dias. Estamos sempre falando sobre música.

KVYA NONO: Todos nós gostamos de estar atualizados com esta cena musical em constante mudança. Queremos fazer parte disso.

B5: Consequentemente, continuaremos fazendo experiências com nosso som.

REON: O hip hop também tem um “espírito de fronteira”. Acho que devemos ter uma atitude receptiva e aberta para mudanças no que diz respeito à criação.

 

O mundo virou de cabeça para baixo com esses problemas que o C-19 nos fez enfrentar. No caso do CHOKE, quais foram as consequências? Você teve que adiar algum de seus planos?

B5: Na verdade, tínhamos planos para um evento organizado por nós em junho, mas tivemos que cancelá-lo. Muitos outros shows foram cancelados. Mesmo assim, a atitude positiva dos meus companheiros de banda me ajudou muito a focar no que poderíamos fazer no momento.

KVYA NONO: B5 sempre diz que está aliviado graças à nossa abordagem positiva; mas, de fato, virei minha cabeça para o mundo graças a ele. Ele me mostrou músicas de todo o mundo e eu percebi que o mundo é muito vasto. Todos nós fomos forçados a ficar em casa, mas, ao mesmo tempo, senti que as distâncias encurtaram. Todos estavam na mesma situação, estávamos confinados em nossas casas, e a única maneira de nos mantermos conectados com as pessoas da nossa vizinhança e do outro lado do mar era pela internet. Quando isso aconteceu, percebi que a distância entre as pessoas próximas de nossas casas e as pessoas de países distantes era a mesma, e poder se comunicar pela internet havia se tornado a norma. Depois disso, fiquei mais entusiasmado e decidi mirar no mundo.

B5: Estou muito grato por termos trabalhado positivamente. Em contraste, eu também conheço algumas pessoas que ficaram deprimidas ou outras que tiveram que deixar sua banda ou qualquer atividade musical, o que é compreensível nesta situação. Por estarmos olhando para o futuro, agora podemos ter a honra de sermos entrevistados. Não sei o que vem pela frente, mas quero seguir avançando aos poucos.

REON: Antes do desastre do coronavírus, tivemos o grande terremoto no Japão que ocorreu em 11 de março de 2011. Depois disso, o sentimento de ‘impermanência’ se enraizou fortemente dentro de mim. E também, certamente não devemos esquecer de ser gratos e amar. COVID-19 é um problema muito sério, mas é difícil viver sem esperança. Acho que o papel do entretenimento é trazer uma mensagem positiva.

KVYA NONO: Está certo. Como artistas, é muito importante permanecer positivo. Graças a isso, conseguimos tornar nossas atividades em 2020 muito emocionantes, afinal.

E em particular, como vão vocês, amigos? Como vocês lidaram com o problema da pandemia e como está a situação hoje na cidade onde moram?

KVYA NONO: Estamos indo muito bem. Durante o período de autocontenção, fiquei em casa trabalhando em novas músicas, tive reuniões online e também reuniões online não relacionadas à banda apenas para beber cerveja e conversar. Passei esse tempo de uma forma muito construtiva.

B5: Não tenho certeza se estou passando muito mais tempo em casa do que antes. Não havia bloqueio forçado no Japão, então eu era capaz de me mover livremente. No entanto, tomei cuidado para evitar lugares lotados, é claro. A maioria das pessoas que andam nas ruas usa máscaras. Acho que é importante não entrar em pânico e manter a mente saudável.

REON: O coronavírus é um problema global, não se limita apenas ao nosso meio. A Europa está impondo bloqueios novamente. Uma segunda onda seria terrível e estou preocupado com isso. Espero que todos no Brasil fiquem seguros

 

Muito obrigado pela atenção. Fique à vontade para deixar seus recados para os fãs, bem como divulgar os endereços para que eles possam ficar por dentro de todas as novidades do CHOKE.

B5: Obrigado por ler esta entrevista. Para as pessoas que ainda não ouviram as músicas do CHOKE, eu ficaria feliz se vocês pudessem aproveitar esta chance para ouvir nossas músicas.

KVYA NONO: Ficamos muito felizes em fazer essa entrevista. O Brasil é o país que mais quero visitar. Uma vez, assisti a um vídeo de alguém cantando a música tema do Dragon Ball no Brasil e todo mundo foi à loucura. Desde então, tenho vontade de ir para lá.

B5: Será incrível se algum dia nos apresentar no Brasil. Temos nossas contas oficiais no Twitter (uma em inglês e outra em japonês) e também cada membro tem uma conta pessoal no Twitter. Verifique-os! A maioria de nossas postagens no Facebook são em inglês, então você não precisa se preocupar se não entender japonês!

REON: Muito obrigado

 

Mais informações:

FACEBOOK
SITE