Entrevistas

Kinkshamer: “Quero que nossas letras sejam mais esotéricas e provocativas com a música mais progressiva e dinâmica”

Formada em 2018, a banda americana Kinkshamer, lançou o primeiro trabalho, o EP ‘Societal Sects’. Apresentando um som que mescla metalcore e death metal, a banda chama atenção pelo estilo e letras que abordam temas como sexo, fetiche e sadomasoquismo.

Em entrevista ao site Headbangers News, o vocalista Riley Rowe conta sobre a história da banda, inspirações, composição e a produção dos videoclipes que contem imagens fortes retiradas de diversos filmes. Também contou a ansiedade para realizar shows após a pandemia da Covid-19 e os planos para o futuro.

Você pode nos contar um pouco sobre a banda?

Somos Kinkshamer, com sede em Los Angeles e formados no final de 2018. Nosso primeiro EP ‘Societal Sects’ lançado em 2019 e logo depois adicionou Blair Berens no baixo (atualmente assumindo as funções de guitarra) e Jonny Daybreak na bateria para completar nossa formação ao vivo.

O som da banda é metalcore / death metal progressivo com temas sobre fetiches e sexo. De onde veio essa inspiração?

Sempre fui inspirado por bandas que quebram barreiras liricamente ou tematicamente. Lembro-me de estar tão viciado na história por trás de Marilyn Manson em seus primeiros álbuns, desde o conceito de seu nome artístico até as histórias por trás de cada álbum. O mesmo pode ser dito sobre os primeiros anos do Nine Inch Nails entrelaçados com a cultura BDSM ou Type O Negative e sua estética de vampiro. Todos esses atos não só tinham consistência no tema, mas também uma imensa capacidade de chocar as massas com letras e imagens tabu. Embora existam muitas bandas talentosas e admiráveis ​​na cena do metal moderno, dificilmente há alguém que siga os mesmos passos de choque ou tabu. Com a formação do Kinkshamer, esse era meu objetivo, reviver a arte de fundir metal com choque e tabu e, portanto, decidi empurrar um tema muito abertamente obscuro e sexual.

Cada música do EP gira em torno de um fetiche, kink ou aspecto sexual específico. Quem é o principal compositor da banda e como foi criar essas músicas?

Sim, isso é absolutamente correto. “A Most Vulgar Display” fala sobre sexo público e exibicionismo, enquanto “Beauty and the Beast” gira em torno da bestialidade. Ao escrever e gravar o EP, nosso ex-guitarrista Lucas Fisher, compôs a grande maioria das músicas e eu ajudaria a adicionar samples, estrutura, letras e vocais. Definitivamente foi um … processo interessante. Procurar a amostra de gemido perfeita para incluir na música, assistindo a vídeos pornôs juntos, foi uma memória bizarra, mas engraçada durante tudo isso.

Sobre os videoclipes, como foi a produção e gravação? As filmagens mais agressivas foram feitas por você?

Criar vídeos e visuais para todo o EP foi super gratificante, mas nenhum foi realmente filmado por nós. Reuni filmagens de uma variedade de filmes e as juntei e editei para se adequar ao ritmo de nossa música. Se você assistir a todos eles, provavelmente reconhecerá alguns filmes que pode ter visto antes. Há pedaços de Eraserhead, The Cell, Pulpfiction e muitos mais entrelaçados lá, então definitivamente vá dar uma olhada em nosso canal no YouTube agora.

O próximo trabalho da banda pretende ser mais agressivo e ofensivo. Você pode falar um pouco sobre isso?

Estamos ansiosos para escrever e gravar o seguimento do nosso último EP. Até agora, temos uma música demo e ideias para algumas outras faixas, incluindo um cover, que são todas muito empolgantes. Embora eu esteja muito feliz com o resultado do EP ‘Societal Sects’, eu definitivamente quero ir ainda mais radical com nosso futuro material. Eu quero que nossas letras sejam mais esotéricas e provocativas com a música mais progressiva e dinâmica. Esperançosamente, no próximo ano, a  Covid-19 será uma ameaça menor e nós teremos tempo para entrar em estúdio.

Você pretende lançar material físico?

Acho que lançar nossa música fisicamente seria uma conquista incrível, mas, realisticamente, não é uma possibilidade financeira no momento. Assim que a banda conseguir um grande número de seguidores, definitivamente acho que alguns CDs e vinis valeriam a pena. Talvez coloque um preservativo em cada um para garantir que todos estejam seguros. Por enquanto, temos alguns designs de camisas realmente doentios que sairão em breve.

O que você acha sobre o consumo das plataformas de streaming?

Streaming é a forma moderna e futura com que as massas irão consumir música, então acredito que o melhor caminho é abraçar essa tendência. No entanto, não devemos ser complacentes com a forma como os serviços de streaming tratam os músicos com remuneração. O Spotify precisa absolutamente de uma reforma na forma como eles pagam os artistas em sua plataforma e espero que alguém traga mudanças porque não imagino que isso aconteça em breve. Com isso dito, eu ainda compro muitos CDs e discos de vinil, então se você preferir também comprar cópias físicas das músicas, eu também apoio.

Como é a cena underground nos EUA?

Tenho certeza de que a cena underground varia em todo o país com o tamanho dos EUA, mas há uma cena de metal local muito doce em Los Angeles. A maioria das bandas se apóia no estilo metalcore e deathcore, mas há diversidade com bandas de death metal, prog e hardcore também. Recomendo conferir Better Left for Tomorrow, The End of an Age, Zombie Eating Horse, Throne of Tyranny e Within Reach. Blair e Jonny também são da banda Akasha, então dê uma olhada neles também. (www.akashatheband.com)

A banda é nova, como está a aceitação do público e da mídia sobre o trabalho?

Vai ser difícil para qualquer nova banda começando hoje em dia. Já existem tantos grupos talentosos por aí, então você precisa de muita dedicação, conexões e sorte para ser notado. Tivemos a sorte de fazer.

Quais são os planos para o futuro e a expectativa da banda?

Mal podemos esperar que os shows ao vivo estejam seguros novamente. Até agora, só fizemos um show e foi incrível. Tínhamos adereços ao redor do palco e uma boneca sexual no mosh pit. Todos na multidão se divertiram muito e estamos ansiosos para voltar ao palco e fazer mais shows. Além disso, animado com o material futuro, então com certeza iremos escrever e gravar mais material assim que pudermos. Por enquanto, pedimos a todos os nossos fãs e curiosos sobre a banda que dêem uma olhada em nossos novos videoclipes, sigam-nos no Facebook e Instagram e fiquem de olho nos próximos produtos.