Entrevistas

Bill Steer (Carcass): “Todo mundo sabe que essa cena [Brasil] é muito importante no desenvolvimento do metal”

Ester Segarra

Carcass lançou vários álbuns clássicos ao longo dos anos, incluindo ‘Heartwork’ e ‘Necroticism – Descanting the Insalubrious’, da Decibel Magazine “Hall of Fame”, e sua influência mudou a face do metal extremo a cada lançamento consecutivo. Seja inventando o gore-grind  ou criando o modelo para o death metal melódico, o Carcass sempre fez recordes pelos quais as barras foram definidas e as regras foram quebradas.

Agora, lançam nesta sexta-feira, 17 de setembro, seu sétimo disco de estúdio. Intitulado ‘Torn Arteries’, o trabalho sucede ‘Surgical Steel’, lançado em 2013. O álbum estava previsto para ser lançado em agosto de 2020, mas foi adiado por conta da pandemia.

Para contar sobre este lançamento, o guitarrista Bill Steer concedeu uma entrevista ao site Headbangers News, onde também conta sobre as influências da banda, o período de pandemia, dieta vegetariana e responde algumas perguntas enviadas pelos leitores do site!

Lançado pela Nuclear Blast e distribuído no Brasil pela Shinigami Records, ‘Torn Arteries’ está disponível nas plataformas digitais e a resenha está disponível neste link. 

 

No hiato entre 1996 e 2013, quais foram as referências coletadas para a criação do ‘Surgical Steel’?

Bom, isso é um longo período de tempo, como você apontou aí.  Então, o álbum meio que conta com alguns riffs que eu descobri na época, tocando sozinho em casa e tendo trabalhado com outras bandas por vários anos, e esses riffs não soavam como nada além do Carcass.  Então, eu estava motivado para ligar para o Jeff e ver se ele gostaria de fazer um novo álbum – tínhamos tocado em vários festivais ao redor do mundo, mais algumas turnês com os caras do Arch Enemy, Michael e Daniel Erlandsson. Quando isso acabou, eles voltaram para o Arch Enemy em tempo integral, e nós tínhamos uma escolha, Jeff e eu. Poderíamos desistir, ou, se íamos em frente, realmente precisava ser uma nova banda, e uma banda que estava fazendo novas músicas. Eu estava completamente pronto para isso, quer dizer, secretamente, eu sempre fui a favor, desde que voltamos. Mas simplesmente não foi possível por causa dos compromissos do Arch Enemy, então, eu acho que na verdade a espera nos fez bem porque havia mais material, apenas esperando para ser usado, e eu ainda tinha um cassete de meados dos anos 90, com algumas idéias do Carcass que nunca foram usadas, e que apareceram no álbum. Eu diria que talvez os outros dois terços do álbum foram feitos com ideias que tive nos anos mais recentes, mas foi muito divertido de fazer, você sabe, cada estágio, como o ensaio e outras coisas, e a maior parte das coisas desses anos (risos), e então eventualmente boquiaberto adivinhando aquelas mixagens divertidas, então sim, foi um momento legal.

Entre ‘Surgical Steel’ e o novo álbum, foi um longo período de 8 anos.  Quais foram as inspirações e conceitos para compor “Torn Arteries”?

Bem, em primeiro lugar, sim, você está completamente certo, 8 anos é muito tempo, e eu realmente não tinha imaginado que demoraria tanto.  Mas há várias razões, e a mais óbvia é o coronavirus. Estava terminado muito antes de a pandemia chegar, mas então, quando o mundo começou a mudar, o selo optou em esperar por um tempo, e talvez aguardar até que pudéssemos fazer uma turnê novamente.  Então, não estávamos tão felizes com isso, mas entendemos o raciocínio deles.  Antes disso, diria que o outro motivo deu-se pelos cinco anos de turnê pelo ‘Surgical Steel’.  Às vezes parecia que não havia fim! Muitos shows em várias partes do mundo, toneladas de festivais, e foi ótimo, mas quando você olha para trás, isso é metade de uma década de sua vida, e alguns de nós queríamos fazer novas músicas um pouco mais rápido. De qualquer forma, aqui estamos nós, e acho que o álbum se beneficia na verdade, por demorar tanto para ser lançado. O material amadureceu muito bem porque parte dele, Dan e eu temos trabalhado por anos, então na época em que Jeff estava envolvido, já tínhamos algo de bom acontecendo, mas depois tivemos sua contribuição excelente, apenas para aumentar alguns pontos, então, sim, dias felizes.

Quando a banda se propôs a incomodar o ouvinte, com agressividade audiovisual, qual foi a inspiração para causar tal efeito?

Boa pergunta, não sei se consigo responder de forma adequada, porque você está voltando para a nossa juventude. Jeff, Ken e eu começamos o Carcass quando ainda éramos adolescentes e, nessa fase da vida, você não está muito autoconsciente, não sabe realmente o quê o motiva, e talvez eu também não saiba, ao menos quando você tem essa idade, eu diria. Se você é um pouco introvertido e é considerado um pária, parte de uma pequena subcultura que é considerada esquisita, talvez haja algum tipo de sentimento misenpófico onde você vai contra-atacar o mundo, de uma forma inofensiva, claro, com algo criativo, que só vai mexer com a cabeça das pessoas.  Então, esse é basicamente o tipo de coisa que estava acontecendo com o primeiro álbum, na minha opinião.  Mas tenho certeza de que os outros caras teriam uma visão diferente sobre isso.

Sabemos que estar longe do palco é o pesadelo de um músico.  Nesse espectro, como foi o período pandêmico para a banda?

Honestamente, eu não descreveria isso como um pesadelo.  De qualquer maneira, acho que cada um de nós foi bastante gentil com a situação, e, no estágio inicial, foi um intervalo quase inesperado, então nas primeiras semanas eu não acho que alguém estava reclamando. Com o passar dos meses, claro, foi ficando um pouco pior em alguns dias, mas essencialmente acho que todos nós aceitamos o que estava acontecendo. Então, a aceitação era a chave mesmo. Viva pelo presente e não se preocupe muito com o que está por vir.

Os singles “Kelly’s Meat Emporium” e “Dance of Ixtab” apresentam um som característico da banda, baseado em ‘Heartwork’.  Podemos esperar algo na mesma linha de som ou há alguma surpresa?

Bem, é interessante que você sinta essa característica nossa, com base no ‘Heartwork’, e pessoalmente acho isso bom, é bom ouvir!  Mas, de modo geral, as respostas estão sendo bem diferentes, e eu acho que todo mundo ouve música de forma diferente. Surpresas, sim, nada radical, não estamos experimentando neste álbum.  Mas o que fizemos foi nos esforçar mais e mais, porque, na minha opinião, seria imperdoável se fizéssemos um novo disco que não contivesse música nova.  Quando você coloca sua própria carreira a tal ponto que não traz nada de novo para a mesa, acho isso simplesmente diabólico.  Então, sim, o ideal é que tenhamos novos elementos em cada música, na verdade.  Pode ser algo muito menor, como um estilo de riff, ou partes melódicas, mas para os meus ouvidos, a maioria das coisas no álbum trouxe algo que as pessoas nunca ouviram antes do Carcass.

Como o novo álbum se destacará dos álbuns anteriores?

Como disse na resposta anterior, acho que vai se destacar da mesma forma que todo disco se destacou do anterior, o predecessor.  Nunca fomos a mesma banda, fazendo o mesmo álbum duas vezes. Em ‘Heartwork’ não aconteceram as mesmas coisas como em ‘Surgical Steel’, nem neste como em ‘Torn Arteries’.  É claramente a mesma banda, mas cinco  anos depois.  Nós tivemos muitas experiências lá fora, em turnês, viagens, e muitas vezes, você nem precisa pensar sobre a composição, ela está lá apenas esperando você começar a escrever um novo material. Essencialmente, acho que esse álbum tem muitas coisas que trabalhamos no palco, em comparação com o último, que foi legal, mas com muita energia frenética. E às vezes, algumas dessas canções não funcionaram especialmente bem, mesmo em um clube pequeno, e eu definitivamente sinto o oposto desse novo álbum.

Voltando ao dia a dia normal, como é a rotina da banda em relação aos ensaios e composições?

Bem, obviamente não há ensaios para essa banda há muito tempo, mas nas atividades comuns, nós não ensaiamos muito, porque todo mundo mora em uma parte diferente do país. Dan e eu somos próximos o suficiente, podemos ensaiar quando precisarmos. Jeff está um pouco mais longe, então é uma coisa rara para ele estar em um ensaio, logo, é só quando é realmente necessário. Se tivermos uma pausa, se houver algumas semanas entre turnês e festivais, então é hora de ficarmos juntos e entrar em forma, apenas fazer as coisas com música sincronizada.

Você é vegano há alguns anos, e a arte da capa de ‘Torn Arteries’ chama a atenção para os vegetais. Quais são suas receitas favoritas?

Eu diria que não sou realmente um vegano, pelo o menos não coloquei esse rótulo para mim, porque eu definitivamente comia dessa maneira e me descrevia assim quando era um adolescente, e então penso que estava entre meus 20 e poucos anos. Eu meio que me desviei e me tornei o que as pessoas consideram vegetariano.  Então isso provavelmente tem sido mais da minha vida, e nos últimos anos eu meio que voltei para a dieta vegana, mas realmente isso só acontece se eu não estiver em casa ou no controle do meu ambiente. Às vezes, você está em uma situação em que não consegue exatamente o que deseja, então não sinto necessidade de viver para um rótulo dessa forma, e não quero alienar amigos tornando as coisas difíceis para  eles. Acho que é uma boa maneira de comer, uma boa maneira de viver, mas não quero forçar ninguém.

Sobre as receitas favoritas, eu não sou um grande cozinheiro na verdade, como o Jeff que é muito bom. As coisas que eu preparo em casa são apenas sopa, sempre sopa, porque eu sou um comedor muito preguiçoso e geralmente não tenho paciência, então eu só faço uma sopa com o que quer que esteja por aí, cenouras ou qualquer coisa, cogumelos, e depois como com pão, é bem básico

No Brasil, assim como no mundo, existe uma legião de fãs da banda.  Alguma mensagem para os brasileiros que aguardam ansiosamente sua presença no palco?

Bem, em primeiro lugar, obrigado por sempre nos apoiar, porque desde o começo sempre tivemos um amor tremendo vindo da América do Sul, e particularmente do Brasil.  Todo mundo sabe que essa cena é muito importante no desenvolvimento do metal, tem contribuído para algumas bandas ótimas também.  Em termos de tocar lá, é simplesmente fantástico, é um lugar realmente mágico para visitar, e se você tem um dia de folga, isso é adorável, porque podemos visitar alguns lugares, e isso simplesmente torna tudo ainda melhor.  Os shows são sempre simplesmente incríveis, com a paixão da multidão e tudo mais.  Então, a todos no Brasil que estão ouvindo nossa banda e nos acompanham, muito obrigado, e esperamos vê-los em breve!