Resenhas

The Battles of Horus of Edfu

Wounded Not Dead

8.0

Uma boa dose de death metal brutal com elementos psicodélicos do rock progressivo. É assim que a pancada sonora da banda inglesa Wounded Not Dead chega aos nossos ouvidos em “The Battles of Horus of Edfu”, álbum de estreia lançado em 2017. Esse trabalho, um verdadeiro convite à entrega ao desconhecido, intimida o ouvinte a deixar a zona de conforto e se lançar em outros níveis de entendimento musical.

Formada em Londres em 2014 pelos músicos guarulhenses Thiago Carvalho (InnerRage) e Rimon Jaoude (Wacko) e o baterista italiano Adriano Ferraro (Eyes of Solitude, Inebrious Incarnate), a banda oferece ao longo de quase 40 minutos de gravação alguns elementos que a diferenciam por sua pegada contundente, veloz, voraz.
Composto por 6 faixas, The Battles of Horus of Edfu apresenta músicas que são construídas e ambientadas num clima ao mesmo tempo exótico e épico das grandes batalhas egípcias. A faixa de abertura, “Battles in the North Land of Denderah”, descreve algumas das mais fervorosas batalhas acontecidas sobre a terra, nos anos do reinado do deus Ra-Horakhti, a grande guerra entre Hórus e Set.
A faixa seguinte, “The Harpooner”, aborda o confronto entre o herói Horus of Edfua, com o foragido Set, que se apaixonou por Isis e por isso assassinou Osíris. Na bateria, Adriano Ferraro escancara toda a fúria desse confronto com uma marcação precisa e intensa, compondo com a linha do baixo de Rimon Jaoude a complexidade sonora da obra.
Os vocais guturais e os riffs da guitarra de Thiago Carvalho também evocam a força e o poder da temática e tornam-se ainda mais raivosos em “The Allies of Set”, quando fala da busca de Horus pelo inimigo, que alcança seu ápice na manhã do quinto dia. “Savage” expõe a natureza selvagem de Set quando, finalmente descoberto, se levanta de seu esconderijo e, à imagem de uma fera, ruge terrivelmente, conforme narrado em “Head of a Wild Beast”. O saldo da gloriosa batalha rendeu a prisão de parte dos aliados de Set.
Para ilustrar a batalha e tornar a história ainda mais impressionante, a faixa “River of The Sky” ganhou um videoclipe com ares de destruição e morte, compondo com a linha melódica um todo cheio de horror ao abordar o momento exato do confronto, a sudeste de Denderah, na cidade de Hathor. Para o baixista Rimon, a faixa traduz de forma plena o conceito do álbum: “Para quem não conhece a banda e o nosso estilo, conseguimos misturar em “River of The Sky” nossas influências e aspirações progressivas com o contexto épico dessa antiga lenda egípcia, no qual o trabalho foi desenvolvido, alternando esses elementos com a agressividade característica do gênero”, explica Rimon.
Muito mais que um álbum de death metal conceitual, pesado, agressivo e poderoso, que instiga o entendimento, The Battles of Horus of Edfu configura-se como valiosa fonte de pesquisa para quem quer ir muito além das histórias contadas pelos hieróglifos.